São Paulo pede ao Ministério da Saúde pelo menos 3,4 milhões de agulhas e seringas

São Paulo pede ao Ministério da Saúde pelo menos 3,4 milhões de agulhas e seringas

Marianna Holanda

26 de janeiro de 2021 | 21h22

Jean Gorinchteyn. FOTO: GOVERNO DO ESTADO DE SP

O secretário de Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, pediu ao Ministério da Saúde “pelo menos 3,4 milhões de agulhas e seringas” para a campanha de imunização contra a covid-19 no Estado.

Apesar da previsão de ter até 70 milhões de seringas e agulhas entregues por fornecedores até o meio do ano, o secretário cita, em ofício enviado nesta terça-feira, 26, um informe técnico do ministério do último dia 23 como embasamento para o seu pedido.

O documento da pasta de Eduardo Pazuello dá previsão de, ainda em janeiro, distribuir 15 milhões de agulhas e seringas aos Estados – com devida priorização aos que têm estoques mais vazios. O cálculo proporcional à população levaria às 3,4 milhões pedidas por São Paulo.

“O Ministério da Saúde irá apoiar os Estados e Municípios com o envio de seringas e agulhas para a realização dessa ação de imunização, devido ao momento de pandemia”, diz o documento da pasta.

O pedido é mais um capítulo da tensa relação entre o governo de SP e o Executivo federal. A ideia dos paulistas é marcar posição: fazem o dever de casa, mas têm direitos, assim como qualquer outro Estado. João Doria, inclusive, já recorreu ao STF para garantir que não houvesse requisição, por parte de Pazuello, das vacinas compradas pelo governo estadual que ainda estavam com os fornecedores.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.