São Paulo acerta na restrição, mas demora preocupa

São Paulo acerta na restrição, mas demora preocupa

Coluna do Estadão

23 de janeiro de 2021 | 05h00

Foto: Tiago Queiroz/Estadão

É consenso entre a comunidade médica e científica que a iniciativa do governo paulista de apertar as regras de isolamento social foram acertadas, mas desceu quadrada a decisão de última hora de adiar para segunda-feira, 25, a obrigatoriedade da fase vermelha no Estado. Epidemiologistas ouvidos pela Coluna dizem que não é possível perder mais um minuto na adoção de medidas duras de restrição social. Muitas vidas estão sob risco. Um deles, de um grande hospital particular da capital, questionou: se a medida é necessária, por que esperar?

Difícil. Em privado, membros do próprio governo paulista admitem que marcar o início das restrições para o último dia do feriadão prolongado (dia 25 é aniversário da capital) pode comprometer a eficácia da medida restritiva.

Olha a fila! Pipocam indícios e suspeitas de que gente de fora do grupo prioritário foi vacinada contra a covid-19 no HC paulistano. Um experiente membro do Ministério Público tem diagnóstico preciso: o governo mandou doses demais da Coronavac para o hospital. É na fartura que se dão bem os oportunistas.

Farinha pouca… A grande pergunta do momento no mundo das vacinas (depois de onde, como e quando, claro) é: qual a prioridade dentro da prioridade?

…meu pirão… Cabe ao Ministério da Saúde ou aos Estados e municípios definir qual médico é vacinado primeiro? O tema já entrou no radar de procuradores federais, que não sabem o quanto a decisão do STF do ano passado interfere nisso.

…primeiro. Em SP, por exemplo, cada hospital, seja público ou privado, define a ordem das vacinas. Em um deles, da capital, funcionários com vínculo empregatício tiveram prioridade. Residentes que atuam na linha de frente ficaram para trás na fila de vacinação.

Olha só. Em dezembro do ano passado, os MPs de cinco Estados apresentaram ofício ao Ministério da Saúde com questionamentos sobre o “kit covid”. A pasta recebeu cinco dias para responder aos procuradores. Já se passaram mais de 35 dias. O pedido foi reiterado duas vezes e segue completamente ignorado.

CLICK. Os ministros Eduardo Pazuello , Ernesto Araújo e Fábio Faria , e o embaixador indiano em Brasília, Suresh Reddy (dir. para esq.) foram receber no RJ doses da vacina Astrazeneca, que chegaram da Índia.

Coluna do Estadão

Ajuda. O BNDES e a Eletrobras levaram cem cilindros de oxigênio a quatro hospitais de Manaus em uma ação do programa Salvando Vidas, no qual o BNDES dobra o valor de toda doação. Por conta da crise no Amazonas, o financiamento misto foi reaberto para apoio de empresas.

Deu… O governo federal zerou alíquota de 16% da tarifa de importações de pneus, conforme prometido por Jair Bolsonaro a caminhoneiros em live realizada recentemente.

…a louca… Acontece que os modelos de pneus publicados no Diário Oficial da União não contemplam a categoria. Deu ruim.

…no DOU. Depois de muito rebuliço, o governo prometeu à Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos que faria uma retificação no texto.

Candidata panelaço. A Coluna abre hoje a série de ilustrações com os principais candidatos à presidência da Câmara e do Senado apoiados por bancadas: Luiza Erundina é nome do PSOL e encabeça a mais radical das candidaturas de oposição a Bolsonaro.

SINAIS PARTICULARES.
Luiza Erundina, deputada federal (PSOL-SP) e candidata à Presidência da Câmara

Ilustração: Kleber Sales

PRONTO, FALEI! 

Foto: Gabriela Biló/Estadão

Nelson Teich, médico e ex-ministro da Saúde: “O problema da vacinação contra a covid-19 foi planejamento e execução. Promessas não cumpridas diminuem credibilidade e confiança nas instituições.”

COM ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.