Santos Cruz vê ‘nova dinâmica’ na política

Santos Cruz vê ‘nova dinâmica’ na política

Coluna do Estadão

07 de junho de 2019 | 05h00

Ministro Carlos Alberto dos Santos Cruz. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

A aprovação da reforma da Previdência irá consagrar um novo modelo de articulação e estimulará o investimento porque apresentará ao empresariado um patamar inédito na política brasileira, avalia o ministro Santos Cruz. “Vai significar uma nova dinâmica”, disse à Coluna. Segundo ele, o País atravessa período de reacomodação de forças e adaptação às novas práticas. “São cinco meses de um governo com uma proposta completamente diferente, saindo de um período de escândalos financeiros nos quais algumas empresas se envolveram.”

Au revoir. Santos Cruz voltou esta semana do 6.º Fórum Econômico Brasil-França. O ministro achou o evento “muito bom”. “Voltei com a sensação de que existe uma expectativa muito positiva de engajamento empresarial”, disse.

Sinais… Um dos empresários brasileiros presentes no evento relatou à Coluna duas preocupações muito fortes dos investidores estrangeiros: garantia de segurança jurídica e o fim da corrupção nos contratos.

…de confiança. Ainda assim, ele diz ter ficado com a sensação de que há intenção dos estrangeiros de retomar os investimentos no Brasil, principalmente no setor de óleo e gás.

Tá osso. Rodrigo Maia segue articulando para tentar manter os Estados no relatório da reforma da Previdência. Ainda há muita resistência, no entanto, entre os deputados, principalmente do Nordeste.

Deixa disso. O relator Samuel Moreira (PSDB-SP) teve de entrar em ação para desfazer o mal-estar provocado entre deputados da Comissão Especial da reforma após as duras declarações de João Doria.

Deixa disso 2. O governador tucano de São Paulo disse que seria uma atitude mesquinha deixar os Estados fora da reforma. Segundo Moreira disse aos colegas, Doria jamais pretendeu ofender o Parlamento.

Volta. Apesar de a “turma do deixa disso” ter feito a parte dela, ficou a sensação no Congresso de que o diálogo entre deputados, senadores e governadores retrocedeu algumas casas e, no limite, pode atrasar o cronograma da comissão.

SINAIS PARTICULARES 
Rodrigo Maia, presidente da Câmara

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES/ESTADÃO

Azedou. A divulgação da carta dos governadores sobre a reforma da Previdência causou grande mal-estar no grupo deles de WhatsApp. O clima, que já não era dos melhores, ficou ainda mais pesado e muitos passaram a especular quem teria sido o “vazador”.

Análise. Técnicos do governo federal entregarão na terça-feira a Jerônimo Goergen (PP-RS), relator da MP da Liberdade Econômica na Câmara, parecer sobre as mais de 300 emendas apresentadas ao texto. O levantamento apontará onde há espaço para ceder.

CLICK. Em sessão no Senado pelo Dia Mundial do Meio Ambiente, o deputado Rodrigo Agostinho (PSB-SP) foi o único a se voltar para a Bandeira na execução do Hino.

FOTO: GABINETE RODRIGO AGOSTINHO/DIVULGAÇÃO

Meia-volta… Enquanto Paulo Guedes fala em ampliar o serviço militar obrigatório, a AGU e o presidente Jair Bolsonaro assinaram portaria para permitir a dispensa de militares que tenham cometido crimes.

…volver. Regra criada em 1987 proibia a demissão nesses casos, e fazia com que os soldos continuassem sendo pagos mesmo a soldados já sem nenhuma função.

Saúde. Roraima é a unidade da Federação com maior crescimento de casos de dengue: 4.060%. O número de casos pulou de 5 em 2018 para 208 em 2019.

PRONTO, FALEI!

Renato Sérgio de Lima. FOTO: TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Renato Sérgio de Lima, presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública: “Os dados reforçam a relação entre a presença de armas de fogo e homicídios. O decreto de Bolsonaro está equivocado”, sobre o Atlas da Violência de 2019.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, JULIANA BRAGA E MARIANNA HOLANDA. COLABOROU RICARDO GALHARDO.

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Tendências: