Resolução acirra ainda mais disputa de senadores por uma vaga no TCU

Resolução acirra ainda mais disputa de senadores por uma vaga no TCU

Alberto Bombig e Camila Turtelli

03 de dezembro de 2021 | 02h32

Fernando Bezerra (MDB-PE), líder do governo no Senado. Foto: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

A resolução do TCU vetando nomeações de indicados que respondam por ações na Justiça acirrou ainda mais a disputa pela vaga do Senado no tribunal. A interlocutores, o autor da resolução, ministro Walton Alencar, disse que a medida não tem o objetivo de “fulanizar” ou “intervir” nas questões no Congresso. Ligeiro, Fernando Bezerra, líder do governo na Casa, tratou de disparar mensagens a colegas: “Não há denúncia ou ação penal contra mim por crime doloso contra a administração pública, tampouco em relação aos demais delitos da resolução”. Porém, em privado, senadores reconhecem que a resolução, no mínimo, cria constrangimento para Bezerra, nome apoiado pelo governo.

CORRIDA. Kátia Abreu (PP-TO), Antonio Anastasia (PSD-MG) e Bezerra são os mais bem posicionados na disputa. A sabatina entre os indicados está prevista para o próximo dia 14 na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) e a votação pelo plenário da Casa deve ocorrer no mesmo dia.

CLICK. Kátia Abreu, senadora

Foto: COLUNA DO ESTADÃO

Cotada a vaga no TCU levou doces de Pelotas (RS) para seus apoiadores: distribuiu 47 deles, a quantidade de votos que ela acredita ter no Senado.

DEU… As rejeições pelo Senado de Paulo Marcos de Farias para uma vaga no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) e de Roberto Fragale Filho para o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) foram debitadas como erro de cálculo de Rodrigo Pacheco (PSD-MG), o presidente da Casa.

…MOLE. As votações tiveram início logo após a aprovação de André Mendonça para o Supremo Tribunal Federal, o que esvaziou o plenário do Senado e ajudou a desmobilizar os apoios. Com poucos parlamentares, a derrota foi decretada.

PLANO B. A rejeição de Paulo Farias foi vista como um prêmio de consolação para o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), que trabalhou ativamente contra André Mendonça.

NADA MUDA. Fernando Haddad (PT) se recusa a ser candidato ao Senado. Motivo? Simplesmente por não estar disposto a abrir mão da candidatura ao governo de São Paulo, como quer o PSB para compor aliança nacional em torno de Lula. Pelo arranjo em discussão entre os dois partidos, o candidato ao Palácio dos Bandeirantes seria Márcio França.

PRONTO FALEI! Antonio Neto, presidente do PDT paulistano

Foto: ARQUIVO ANTONIO NETO

“O PT já pode pedir música pelo seu apoio à eleição de Jair Bolsonaro. Nos últimos três dias seguidos, três apoios decisivos de sua bancada ao governo: terça pelo Orçamento Secreto, quarta na aprovação do terrivelmente evangélico para o STF e hoje na PEC do Calote.”

DE BANDEJA. Vladimir Porfírio é a primeira baixa no PL após o “casamento” entre Valdemar Costa Neto e Jair Bolsonaro. Após 28 anos de serviços prestados ao partido, o marqueteiro e jornalista, contratado ainda na gestão de Álvaro Vale, acaba de ser demitido.

SINAIS PARTICULARES (por Kleber Sales), André Mendonça, advogado indicado ao STF

GRANDE SALTO. Causou estranheza a paráfrase que André Mendonça fez do astronauta Neil Armstrong. Uma das interpretações possíveis: o novo ministro se guiará pelas convicções religiosas na Corte, diferentemente do que afirmou na sabatina. “Grande salto para os evangélicos”, afirmou ele.

BEM-VINDO. Mendonça foi saudado por Gilmar Mendes, o decano: “Certamente terá uma trajetória marcante no Supremo Tribunal Federal”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.