Renovação do Congresso deve ser menor em 2018

Renovação do Congresso deve ser menor em 2018

Luiza Pollo

31 de dezembro de 2017 | 05h30

Foto: Divulgação/TSE

Estudo do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) projeta um índice menor de renovação do Congresso nas eleições de 2018, abaixo da média de 49% dos últimos cinco pleitos. As razões apontadas são: maior número de candidatos que vão tentar a reeleição; redução para 45 dias do tempo de campanha; base eleitoral já consolidada de quem tem mandato; maior poder de barganha dos atuais congressistas nas negociações com os partidos por tempo de TV e recursos do fundo eleitoral para financiar suas candidaturas.

Interesses. Os analistas do Diap, entidade que há 34 anos observa o comportamento do Congresso, apostam no aumento do número de deputados federais que vão buscar a reeleição por um motivo: manter a prerrogativa de foro.

Os investigados. Para o Diap, a Lava Jato só terá efeito nas eleições de 2018 se os políticos começarem a ser julgados pelo Supremo antes da campanha. Caso contrário, terão o álibi de dizer que são inocentes.

A pleno vapor. Rodrigo Maia (DEM) está montando equipe de suporte técnico e de comunicação para apoiar sua candidatura ao Planalto em 2018. A primeira reunião com o marqueteiro será na semana que vem.

Muito para pouco. O ministro Gilmar Mendes critica o Conselho Nacional de Justiça por não saber quantos presos poderiam ser beneficiados pelo indulto. Lembra que o órgão custa R$ 100 milhões por ano.

Soldado. Apoiadores do ministro da articulação política, Carlos Marun, enxergam a sombra de Moreira Franco no trabalho dele. Disciplinado, ele teria obedecido ordens do colega para pressionar governadores a aprovar a Previdência.

Tudo ruim. Cresce a fila de emedebistas que creditam a Moreira Franco erros que inviabilizaram a aprovação da reforma em 2017.

Chegados. Temer encerra o ano com 4 interlocutores frequentes: os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-geral da Presidência) e os deputado Beto Mansur (PRB-SP) e Darcísio Perondi (MDB-RS).

Holofote. O pronunciamento de Natal do presidente Michel Temer, exibido em rede nacional de rádio e televisão, custou
R$ 70 mil aos cofres públicos. A produção ficou com a agência Calia Y2.

Seletivo. Foi a segunda vez que o presidente utilizou cadeia de rádio e TV em um ano e sete meses de governo. A primeira foi no Natal de 2016.

Sinais Particulares: Michel Temer, Presidente da República; por Kleber Sales

Ano novo. O deputado federal Alex Manente (SP) será o líder do PPS na Câmara em 2018. Vai substituir Arnaldo Jordy (PA). Ele já agendou conversas sobre a reforma da Previdência.

CLICK. Em pré-campanha ao Planalto, o presidente do BNDES, Paulo Rabello, comemorou no Twitter o financiamento para a construção de 6,8 mil cisternas no Nordeste.

Foto: Twitter Paulo Rabello

Entre nós. Paulo Rabello vai se casar no dia 3 de janeiro, em Tiradentes (MG). Poucos políticos foram convidados para cerimônia.

Presente. No apagar das luzes de 2017, o governador Geraldo Alckmin abriu crédito suplementar de R$ 60 milhões para o Ministério Público de SP cobrir despesas com pessoal.

A SEMANA!

Terça-feira, 2
Governo divulga o saldo da balança comercial de 2017
No primeiro dia útil do ano, o Ministério da Indústria e Comércio Exterior anuncia saldo da balança comercial de 2017.

Sexta-feira,
Anfavea anuncia dados de produção e venda de veículos
A associação das montadoras divulga quantos veículos foram produzidos e comercializados no País ao longo do ano.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E LEONEL ROCHA. COLABOROU RAFAEL MORAES MOURA

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão