Renan pode abrir mão de relatório parcial da CPI da Covid

Renan pode abrir mão de relatório parcial da CPI da Covid

Coluna do Estadão

27 de maio de 2021 | 05h00

Senador Renan Calheiros, relator da CPI da Covid Foto: Dida Sampaio / Estadão

Uma divergência está estabelecida no “G-7” (composto por opositores e independentes da CPI da Covid), e ela envolve o tal “relatório parcial” anunciado por Renan Calheiros (MDB-AL). Não há dúvidas da existência de indícios suficientes para apontar supostos crimes e omissões, mas uma ala acredita que a antecipação do documento pode esvaziar o relatório final. Apesar de ter sido uma demanda do presidente Omar Aziz (PSD-AM), a prática é incomum. Renan tem dito que acompanhará a maioria. Isso significa ser improvável o fatiamento.

No prazo final. A antecipação “queimaria cartuchos”. Alessandro Vieira (Cidadania-SE) diz que “relatório parcial não é produtivo e arrisca gerar conclusões apressadas”.

Pra já. O lado da CPI favorável ao fatiamento tem bom argumento: alguma medida prática pode ser tomada desde já via atuação do Ministério Público.

Tratoraço. Ex-ministro palaciano e amigo do clã Bolsonaro, Jorge Oliveira será relator de uma representação no Tribunal de Contas da União (TCU) que apura o esquema do orçamento secreto do governo, revelado pelo Estadão.

Tratoraço 2. Até agora, quatro processos já foram abertos no TCU para apurar o esquema. Outro está com o ministro Weder de Oliveira. Dois aguardam designação, mas podem cair com Oliveira, uma vez que é ele o responsável pelos casos referentes ao Desenvolvimento Regional.

Para lembrar. O ‘tratoraço’ é um esquema montado pelo governo Bolsonaro para beneficiar parlamentares com destinação de R$ 20,1 bilhões em emendas, na troca de apoio no Congresso. Desse montante, R$ 8,3 bilhões foram destinados ao MDR e a estatais ligadas a ele, como Codesvaf.

Com a palavra. Questionado pela Coluna se continuaria à frente do caso, diante da proximidade com o governo Bolsonaro, Oliveira não respondeu.

Disponível. Também convocado, o governador Ibaneis Rocha (MDB-DF) diz que não buscará um habeas corpus no STF: “No que for necessário, pretendo contribuir (com a CPI)”.

Boa… Marco Bertaiolli (PSD-SP), relator da MP do Ambiente de Negócios na Câmara, e Paulo Guedes bateram o martelo: o relatório será entregue a Arthur Lira na semana que vem, quase dois meses antes do prazo final, 28 de julho.

…notícia. A principal inovação na MP é a criação de um novo tipo de ação para as sociedades anônimas, o chamado “voto plural”, que dará direito a controlar a empresa mesmo sem possuir a maioria das ações dela, ou seja, uma forma de capitalizar as companhias.

CLICK. Marco Bertaiolli (PSD-SP), relator da MP do Ambiente de Negócios na Câmara, almoçou nesta quarta, 26, com Paulo Guedes no Ministério da Economia.

Coluna do Estadão

Dando…. Tucanos estão preocupados com o futuro de Geraldo Alckmin e tentando conversar com o ex-governador para que ele permaneça no PSDB.

…perdido. Até o vice-governador do Estado, Rodrigo Garcia, com quem Alckmin sempre manteve boa relação, foi convocado para a missão: até agora, porém, nem ele obteve sucesso.

Uni, duni, tê. Hamilton Mourão vive um dilema. Disposto a sair candidato ao Senado, ainda não decidiu se concorrerá pelo Distrito Federal, Rio ou mesmo Rio Grande do Sul.

SINAIS PARTICULARES.

Hamilton Mourão, vice-presidente da República

Kleber Sales

PRONTO, FALEI!

Foto: Câmara dos Deputados/Divulgação

Marcelo Ramos, vice-presidente da Câmara: “É uma ousadia, como era falar em ser vice-presidente da Câmara com apenas dois anos de mandato”, sobre seu nome circular como presidenciável pelo PL.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG E MARIANNA HOLANDA. COLABOROU BRENO PIRES.

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.