Renan diz que depoimentos na CPI revelam ‘existência de ministério paralelo da saúde’

Renan diz que depoimentos na CPI revelam ‘existência de ministério paralelo da saúde’

Marianna Holanda

05 de maio de 2021 | 16h22

O relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros (MDB-AL), afirmou que os dois primeiros dias de depoimentos na comissão, com os ex-ministros da Saúde Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, deixaram claro um “ministério paralelo da saúde”, aconselhando o presidente Jair Bolsonaro na contramão da ciência.

“Estes primeiros depoimentos deixam clara a existência de um ministério paralelo da saúde. Um poder paraestatal, das sombras, um gabinete das sombras, desconhecido, que não apenas aconselha, assessora, mas produz documentos, como a burla na bula, encaminha soluções, como produzir mais cloroquina, e confronta as orientações dos médicos”, afirmou o senador.

Em depoimento, Mandetta contou que, em determinada reunião, foi sugerida uma minuta de decreto alterando a bula da cloroquina para constar tratamento para coronavírus, a despeito de não haver comprovações científicas. A proposta descabida não foi adiante.

Sobre a fala de Teich nesta tarde na CPI, Renan disse que foi “técnico e despolitizado”. “ Em nome da própria biografia, o ministro pediu demissão por defender que, além de ineficaz, o medicamento (cloroquina) apresenta riscos efetivos à saúde pública” O ex-ministro da Saúde revelou que deixou o cargo por não ter autonomia e liderança na pasta.

O relator ressaltou ainda, da fala de Teich, que nem ele, nem Mandetta foram ouvidos sobre incremento na produção de cloroquina.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.