Relator da reforma trabalhista gasta tempo esclarecendo pontos que nem constam na proposta

Relator da reforma trabalhista gasta tempo esclarecendo pontos que nem constam na proposta

.

Luiza Pollo

16 de abril de 2017 | 06h00

Foto: Cleia Viana /Câmara dos Deputados

Foto: Cleia Viana /Câmara dos Deputados

A guerra da comunicação na votação das reformas tem feito com que o tucano Rogério Marinho (RN), relator da trabalhista, gaste boa parte de seu tempo rebatendo pontos que não estão incluídos no seu parecer.

Um desses pontos é o do suposto aumento da carga horária. “Não é verdade que vai aumentar. Quem em comum acordo aceitar trabalhar 12 horas terá direito a 36 horas de folga. Como já ocorre em algumas profissões, caso de policiais, por exemplo”, explica Marinho.

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao

Tudo o que sabemos sobre:

Rogério Marinho

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.