Regina Duarte e Bolsonaro já enfrentam primeira crise

Coluna do Estadão

Atualizamos nossa política de cookies

Ao utilizar nossos serviços, você aceita a política de monitoramento de cookies.

Jair Bolsonaro e Regina Duarte na posse da atriz como secretária da Cultura Foto: Adriano Machado/Reuters

Regina Duarte mal foi nomeada secretária de Cultura e já esteve a ponto de pedir demissão. Nos últimos dias, a atriz vem sofrendo enorme pressão nas redes sociais, em especial dos “olavistas” (discípulos de Olavo de Carvalho), por causa das exonerações que fez. A duras penas, ela deve aprender o que há muito tempo se sabe em Brasília: Jair Bolsonaro escuta mesmo a voz das redes sociais. O maior foco da crise gira em torno da indicação do seu número dois: Regina quer ter no cargo de confiança o produtor Humberto Braga; Bolsonaro, não.

Xi… Braga é tido como muito caro para a atriz, mas teriam chegado ao WhatsApp de Bolsonaro fotos dele abraçado a Marcelo Freixo (PSOL-RJ) e a Jandira Feghali (PCdoB-RJ).

Round 1. Uma queda de braço Regina já perdeu. Ela queria exonerar o polêmico presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, mas Bolsonaro vetou.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Quem manda. Foi determinado que todos os nomes da Cultura passem pelo presidente. Segundo integrantes do governo, ela foi ingênua ao acreditar que a “porteira fechada” era pra valer.

Ops. Aliás, a relação da atriz com Marcelo Álvaro Antônio tampouco anda muito bem. A secretaria dela fica sob o Turismo.

Rompimento branco. Apesar de a retirada de diplomatas brasileiros da Venezuela ser, na prática, um rompimento da relação entre o Brasil e o país vizinho, formalmente ela não encerra a relação diplomática entre os dois países. Isso porque os postos de trabalho foram deixados vagos e as estruturas ainda existem.

Timing. A decisão do governo brasileiro chamou a atenção do mundo político que recebeu com certa apreensão a notícia sobre a retirada dos diplomatas. A pergunta ainda sem respostas convincentes é o motivo de isso ter ocorrido agora.

Sem tempo, irmão. Apesar da recomendação médica para ficar em repouso por um mês, aliados dizem que Cid Gomes (PDT-CE) não sossega: mesmo de casa, passa o dia grudado no telefone. O senador licenciado foi baleado no controverso episódio da retroescavadeira em Sobral.

SINAIS PARTICULARES.

Cid Gomes, senador (PDT-CE)

Kleber Sales

CLICK. O senador Álvaro Dias (PR) anunciou a candidatura de Carol Arns à prefeitura de Curitiba pelo Podemos. Ela é sobrinha da médica e sanitarista Zilda Arns.

Instagram/Alvaro Dias

Sem pressa. O senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado e integrante da comissão formada para acompanhar a reforma tributária, diz acreditar ser inviável votar a proposta em 45 dias, prazo estabelecido para funcionamento do colegiado.

Experiência. José Serra (PSDB-SP) relembrou durante reunião do grupo que, na época da Constituinte, o sistema tributário foi discutido ao longo de três anos. O senador está preocupado com eventuais perdas de SP: podem chegar a R$ 21 bilhões no primeiro ano.

Para… A Oxfam Brasil e a Fenafisco se juntaram em uma campanha para que os mecanismos a ser aprovados pelos parlamentares ajudem a reduzir as desigualdades no País e por impostos mais justos.

…aprofundar. No próximo dia 11, as entidades realizam, em Brasília, o seminário O Papel da Reforma Tributária na Redução das Desigualdades, em espaço da Câmara. Serão três mesas de debates, com vários especialistas e parlamentares.

PRONTO, FALEI!

Facebook Pauli Ganime

Paulo Ganime, líder do Novo (RJ): “O cenário exige uma atitude contundente do governo e do Congresso: acelerar a aprovação das reformas. Nem pensar em aumento de gastos públicos!”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA.

Coluna do Estadão:

Twitter: @colunadoestadao

Facebook: facebook.com/colunadoestadao

Instagram: @colunadoestadao

Jair Bolsonaro e Regina Duarte na posse da atriz como secretária da Cultura Foto: Adriano Machado/Reuters

Regina Duarte mal foi nomeada secretária de Cultura e já esteve a ponto de pedir demissão. Nos últimos dias, a atriz vem sofrendo enorme pressão nas redes sociais, em especial dos “olavistas” (discípulos de Olavo de Carvalho), por causa das exonerações que fez. A duras penas, ela deve aprender o que há muito tempo se sabe em Brasília: Jair Bolsonaro escuta mesmo a voz das redes sociais. O maior foco da crise gira em torno da indicação do seu número dois: Regina quer ter no cargo de confiança o produtor Humberto Braga; Bolsonaro, não.

Xi… Braga é tido como muito caro para a atriz, mas teriam chegado ao WhatsApp de Bolsonaro fotos dele abraçado a Marcelo Freixo (PSOL-RJ) e a Jandira Feghali (PCdoB-RJ).

Round 1. Uma queda de braço Regina já perdeu. Ela queria exonerar o polêmico presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, mas Bolsonaro vetou.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Quem manda. Foi determinado que todos os nomes da Cultura passem pelo presidente. Segundo integrantes do governo, ela foi ingênua ao acreditar que a “porteira fechada” era pra valer.

Ops. Aliás, a relação da atriz com Marcelo Álvaro Antônio tampouco anda muito bem. A secretaria dela fica sob o Turismo.

Rompimento branco. Apesar de a retirada de diplomatas brasileiros da Venezuela ser, na prática, um rompimento da relação entre o Brasil e o país vizinho, formalmente ela não encerra a relação diplomática entre os dois países. Isso porque os postos de trabalho foram deixados vagos e as estruturas ainda existem.

Timing. A decisão do governo brasileiro chamou a atenção do mundo político que recebeu com certa apreensão a notícia sobre a retirada dos diplomatas. A pergunta ainda sem respostas convincentes é o motivo de isso ter ocorrido agora.

Sem tempo, irmão. Apesar da recomendação médica para ficar em repouso por um mês, aliados dizem que Cid Gomes (PDT-CE) não sossega: mesmo de casa, passa o dia grudado no telefone. O senador licenciado foi baleado no controverso episódio da retroescavadeira em Sobral.

SINAIS PARTICULARES.

Cid Gomes, senador (PDT-CE)

Kleber Sales

CLICK. O senador Álvaro Dias (PR) anunciou a candidatura de Carol Arns à prefeitura de Curitiba pelo Podemos. Ela é sobrinha da médica e sanitarista Zilda Arns.

Instagram/Alvaro Dias

Sem pressa. O senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado e integrante da comissão formada para acompanhar a reforma tributária, diz acreditar ser inviável votar a proposta em 45 dias, prazo estabelecido para funcionamento do colegiado.

Experiência. José Serra (PSDB-SP) relembrou durante reunião do grupo que, na época da Constituinte, o sistema tributário foi discutido ao longo de três anos. O senador está preocupado com eventuais perdas de SP: podem chegar a R$ 21 bilhões no primeiro ano.

Para… A Oxfam Brasil e a Fenafisco se juntaram em uma campanha para que os mecanismos a ser aprovados pelos parlamentares ajudem a reduzir as desigualdades no País e por impostos mais justos.

…aprofundar. No próximo dia 11, as entidades realizam, em Brasília, o seminário O Papel da Reforma Tributária na Redução das Desigualdades, em espaço da Câmara. Serão três mesas de debates, com vários especialistas e parlamentares.

PRONTO, FALEI!

Facebook Pauli Ganime

Paulo Ganime, líder do Novo (RJ): “O cenário exige uma atitude contundente do governo e do Congresso: acelerar a aprovação das reformas. Nem pensar em aumento de gastos públicos!”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA.

Coluna do Estadão:

Twitter: @colunadoestadao

Facebook: facebook.com/colunadoestadao

Instagram: @colunadoestadao

Encontrou algum erro? Entre em contato