Reforma pouco ousada, mas viável, diz Guedes

Reforma pouco ousada, mas viável, diz Guedes

Coluna do Estadão

04 de setembro de 2020 | 05h00

Ministro da Economia, Paulo Guedes. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Paulo Guedes se reuniu virtualmente com empresários para defender a reforma administrativa do governo Jair Bolsonaro. O ministro da Economia disse que o texto apresentado é “politicamente viável”. Porém, reconheceu que ele poderia ter sido mais ousado. Participaram do encontro Jorge Paulo Lemann (Fundação Lemann), Felipe d’Avila (CLP) e Guilherme Coelho (Instituto República). A senadora Kátia Abreu (PP-TO) e o deputado Tiago Mitraud (Novo-MG) acompanharam a conversa. Os empresários deram outro voto de confiança a Guedes.

O problema. O ex-governador e economista Paulo Hartung define bem: “Reforma para futuros funcionários a gente poderia ter feito há 20 anos, quando esse modelo começou a dar sinais de que estava se exaurindo. Agora, exauriu. Não tem mais como fazer uma coisa hoje para colher resultados em 10 anos”.

Fica como está. Luiz Fux, que assumirá a presidência do Supremo Tribunal Federal na próxima semana, não pretende fazer reforma administrativa no Judiciário, afirma quem o conhece. Ao menos, não agora.

CLICK. André Mendonça (à esq.) participou da live de Jair Bolsonaro com o colete do Sistema Único de Segurança Pública. Ele quer que o Susp seja sua marca à frente da Justiça.

Reprodução

Goleada… Aliados de Wilson Witzel davam como certa a derrota no julgamento da Corte Especial do STJ, mas não esperavam um vexame tão acachapante quanto o sofrido pela seleção brasileira contra a Alemanha, em 2014, o famoso 7 a 1.

…histórica. Imaginavam que ao menos mais dois ministros ficassem do lado de Witzel. No final das contas, só Napoleão Nunes votou para reconduzi-lo ao cargo. Ao final, ficou evidente a fragilidade da defesa de Witzel, que agora tentará recuperar o cargo no Supremo.

SINAIS PARTICULARES.
Wilson Witzel, governador afastado do Rio de Janeiro

Ilustração: Kleber Sales

Mutirão. Assessores da senadora Rose de Freitas (Podemos-ES) correm contra o tempo em busca das assinaturas em apoio à PEC de autoria dela, que permite a reeleição de Davi Alcolumbre (DEM-AP).

Plano. A senadora quer obter os 27 apoios necessários para que a proposta comece a tramitar. Também promete divulgar os nomes dos senadores para demonstrar força à medida. Até ontem, havia angariado mais de dez assinaturas.

LEIA TAMBÉM: Mais uma baixa: procurador da Greenfield deixa força-tarefa

A ‘ciumeira’ de Paulo Guedes com Rodrigo Maia

 

BOMBOU NAS REDES!

Felipe Salto. Divulgação

Felipe Salto, 1° diretor-executivo da Instituição Fiscal Independente: “Na direção certa, mas modesta. Ataca a questão das remunerações extras e vantagens. Prevê revisão de carreiras e fim da progressão automática. Peca ao não incluir atuais servidores. Ah, não, ela não resolve o buraco fiscal de 2021″, sobre a reforma administrativa.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA. COLABOROU RAFAEL MORAES MOURA.

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.