Reforma política pode tirar partidos da TV

Reforma política pode tirar partidos da TV

­­

Coluna do Estadão

16 de outubro de 2016 | 05h00

Foto: Reynaldo Stavale

Foto: Reynaldo Stavale

Uma alternativa levantada por deputados para aumentar repasses ao fundo partidário e garantir mais recursos para financiamento público de campanha é acabar com inserções e programas gratuitos de televisão ao longo dos quatro anos de mandato. Assim, cerca de R$ 500 milhões, que hoje são gastos em renúncia fiscal das empresas televisivas, seriam remanejados e incorporados ao “fundo eleitoral”. Presidente da Comissão de Reforma Política, o deputado Lúcio Vieira Lima considera a ideia uma fórmula mágica para conseguir recursos.

Um dos pontos mais polêmicos da reforma discutida na Câmara é a que cria a votação em lista fechada. Ou seja, o eleitor vota na lista de candidatos definida pelos partidos.

A proposta já tem apoio de gente como o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. “A lista fechada vai obrigar os partidos a garantir uma maior democracia interna”, avalia.

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao

Mais conteúdo sobre:

Muda tudo