Ramos trabalhará para afastar PL de Bolsonaro

Ramos trabalhará para afastar PL de Bolsonaro

Coluna do Estadão

01 de agosto de 2021 | 05h00

Vice-presidente da Câmara, deputado Marcelo Ramos. FOTO: GABRIELA BILO/ESTADÃO

De quem tem boa capacidade de síntese: o PP abraçou Jair Bolsonaro, o PSD pulou fora, o MDB disse não ao presidente e Valdemar Costa Neto dá risadas. Por essa lógica, o presidente do PL se encontra em situação confortável, pois mantém cargos no governo federal sem ter se aferroado a ele, conservando margem de manobra para acenar a adversários de Bolsonaro. “O PL ainda não decidiu sobre o apoio em 2022 e eu disputarei opinião com todas as minhas forças para que o partido não esteja no palanque do presidente”, diz Marcelo Ramos.

Fui. O vice-presidente da Câmara nunca foi simpático a Bolsonaro, porém, votava com o governo e não era considerado adversário figadal do presidente, como passou a ser, a ponto de trabalhar contra uma aliança com Bolsonaro e de se declarar opositor.

Fui 2. “Bolsonaro nunca teve chance de ter meu apoio. Mas eu tinha boa vontade com as pautas do governo. Isso ele perdeu”, diz Ramos (PL-AM).

Veja só. O entrevero com o vice da Câmara ilustra à perfeição Bolsonaro. Para preservar os filhos e sua narrativa capenga de ser contra privilégios, o presidente difamou Ramos, atribuindo a ele a culpa pela aprovação do Fundo Eleitoral. A agenda do País na Casa parece não interessar.

Tá… Para um veterano cientista político, o ponto mais preocupante da recente live de Bolsonaro se deu quando ele relaciona a absolvição de Lula ao sistema de contagem de votos e às cortes superiores do País.

…na cara. De duas, uma: ou o presidente sugeriu ruptura institucional antes das eleições ou depois de eventual derrota eleitoral.

Fogo. Para o presidente do PV e ex-secretário de Cultura do Estado de São Paulo, José Luiz Penna, a quinta-feira, 29, entrou para a história, mas pela porta dos fundos. “Enquanto a Cinemateca ardia em chamas, Bolsonaro fazia live com afirmações mentirosas e era desmentido em tempo real pelo TSE. É crime.”

Juntos. Na terça-feira, 3, a Polícia Federal fecha acordo com Espanha e Holanda para atuação conjunta contra crimes ambientais. Embaixadores desses países participarão do encontro com o diretor-geral Paulo Maiurino, em Brasília.

CLICK. Jair Bolsonaro com Jorge Carlos de Almeida Fonseca, presidente de Cabo Verde, no Planalto: países querem ampliar cooperação econômica e aliança cultural.

FOTO: EVARISTO SA/AFP

Pódio. Apaixonado por esportes, Gilmar Mendes está ligado nos Jogos de Tóquio e tem encontrado esperanças em momento tão difícil da vida brasileira.

Pódio 2. “O desempenho dos atletas brasileiros é extraordinariamente inspirador. Nossos esportistas enfrentam e superam ordinariamente os desafios de inserção econômica e social de um país absurdamente desigual”, disse à Coluna.

Aplausos. “Mesmo que não tivéssemos medalhas, a emoção dos Jogos já nos mostraria que o esporte forma cidadãos, que são motivo do mais alto orgulho para o Brasil”, afirmou.

É… O debate sobre a preparação mental dos atletas fez o ministro do STF admirar ainda mais seu ídolo.

…10. “Pelé, com apenas 17 anos, ajudou o Brasil a conquistar uma Copa do Mundo, não sentiu o peso da responsabilidade. Depois, passou por lesões e voltou a brilhar na Copa de 1970. Exemplo de resiliência.”

SINAIS PARTICULARES.
Gilmar Mendes, ministro do STF

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES/ESTADÃO

PRONTO, FALEI!

Senador Alessandro Vieira. FOTO: EDILSON RODRIGUES/AG. SENADO

Alessandro Vieira, senador (Cidadania-SE), integrante da CPI da Covid: “É bom, assim ele trabalha um pouco. Não tem liderança nem influência, mas pelo menos vai dar as caras no Senado”, sobre Flávio Bolsonaro na CPI.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG. COLABOROU ELIANE CANTANHÊDE

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.