Quarentena eleitoral pode entrar na ‘PEC Pazuello’

Quarentena eleitoral pode entrar na ‘PEC Pazuello’

Coluna do Estadão

14 de julho de 2021 | 05h00

Foto: Câmara dos Deputados

A PEC que propõe vedar a militares da ativa a ocupação de cargos em governos, apelidada de ‘PEC Pazuello’, deve receber emenda para incluir um tipo de “quarentena eleitoral” a militares, policiais, juízes e procuradores. Em linhas gerais, cidadãos dessas categorias teriam de cumprir um prazo antes de disputar eleições. O período de inelegibilidade serviria para evitar a utilização política dos cargos. A tese é defendida por um grupo de deputados, entre eles, Arthur Lira (PP-AL). “Penso que poderia melhorar o ambiente de aprovação”, disse à Coluna.

Simbora. O presidente da Câmara afirmou que consultará primeiro os líderes da Casa. A PEC de Perpétua Almeida (PCdoB-AC) será protocolada nesta quarta-feira, 14, e contará com mais de 180 assinaturas.

Simbora 2. O único partido que não teve deputado apoiando a proposta foi o PSC. O presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa, Aécio Neves (PSDB-MG), também bancou a ‘PEC do Pazuello’.

Histórico. Perpétua Almeida tem ligação com os militares porque trabalhou no Ministério da Defesa em um dos governos do PT. Segundo ela, a proposta visa à proteção das Forças. A deputada gostaria de ver na relatoria alguém com “sensibilidade” para o tema.

Agora vai? Já existe projeto de lei, de Fábio Trad (PSD-MS), que prevê quarentena eleitoral de seis anos a essas categorias, mas está parado. A PEC daria maior segurança jurídica para a proposta. A “bancada lavajatista”, que fazia frente à quarentena, está cada dia menor.

Rua. Dirigentes partidários, de movimentos sociais e de sindicatos se reuniram na segunda-feira, 12, para discutir formas de fortalecer o oposição a Bolsonaro e os protestos marcados para o próximo dia 24.

Rua 2. Dos partidos, PSDB, Cidadania, PDT, PSB, Rede e PCdoB participaram. CSB, Força, UGT, entre outras entidades de trabalhadores, estiveram na reunião. Todos se comprometeram a buscar gente para engrossar os protestos.

Call center. A campanha Super Impeachment, articulada pelo Acredito, 342 Artes, terá no seu site dispositivo que conectará diretamente o internauta, via celular, ao telefone do gabinete de Lira, em Brasília ou mesmo em Maceió (AL).

Linha… Para o ex-presidente da Comissão de Ética da Presidência Mauro Menezes, “há profusão de violações à ética pública” no caso da vacina Covaxin.

…divisória. “O presidente tem demonstrado desconhecer a linha divisória entre público e privado, faz pouco-caso da perspectiva de que ele deve, sim, prestar contas”, disse à Coluna. Menezes é um dos autores do “superpedido” de impeachment contra Bolsonaro.

CLICK. O STF criou perfil no TikTok. Um dos primeiros vídeos da conta, publicado ontem, desmente que a Corte tenha proibido o governo federal de atuar na pandemia

REPRODUÇÃO/TIKTOK

Mundo… Em entrevista à Rádio Eldorado, Omar Aziz (PSD-AM) recorreu à fauna amazônica para explicar os arroubos e ataques de Bolsonaro. Segundo o senador, o presidente “age feito o macaco guariba”.

…animal. Para se defender, o símio, explica Aziz, atira seus excrementos de cima das árvores nas onças que, do solo, tentam capturá-lo. “Somos as onças, e o macaco guariba vai reagir dessa forma”, diz o presidente da CPI.

SINAIS PARTICULARES.
Omar Aziz, senador (PSD-AM)

Kleber Sales

PRONTO, FALEI!

João Amoêdo. FOTO: HELVIO ROMERO/ESTADÃO

João Amoêdo, um dos fundadores do Partido Novo: “A Câmara aprovou o fim dos supersalários, que beneficiam 0,02% dos funcionários públicos, mas custam R$ 2,6 bi por ano! Vitória para os brasileiros!”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG E MARIANNA HOLANDA

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.