PT teme que Haddad perca voto de esquerda

PT teme que Haddad perca voto de esquerda

-

Luiza Pollo

18 de junho de 2016 | 05h00

Foto: Rafael Arbex/Estadão

Foto: Rafael Arbex/Estadão

A crise causada pelo tratamento dado pela Guarda Civil Metropolitana (GCM) aos moradores de rua de São Paulo preocupa os petistas. Existe avaliação interna de que o prefeito errou feio ao preferir dar declarações técnicas e ruins sobre as cinco mortes por frio na cidade e a retirada pela GCM de colchões e papelões que serviam como proteção para os moradores de rua. Aliados acham que perdeu a chance de ser solidário e temem que isso empurre eleitores para candidatos que foram do PT, como Luiza Erundina (PSOL) e Marta Suplicy (PMDB).

Petistas dizem que errar no campo social, área tão cara ao partido, gera muito desgaste. Especialmente porque precisarão lidar ainda com o peso da crise nacional da legenda.

Nas contas petistas, Haddad precisa ter algo em torno de 20% das intenções de voto para chegar ao segundo turno. Mas temem que a crise desgaste a candidatura no momento em que será dada a largada.

Adversários do prefeito já começaram a bater. “Completa falta de sensibilidade”, diz o tucano João Doria Jr. “Essa é a cidade acolhedora que o prefeito fala?”, critica Andrea Matarazzo (PSD).

Siga a Coluna do Estadão:
No Twitter: @colunadoestadao
No Facebook: www.facebook.com/colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: