PT prepara ‘abraço coletivo’ para proteger Lula

PT prepara ‘abraço coletivo’ para proteger Lula

Luiza Pollo

22 Janeiro 2018 | 05h30

Foto: Douglas Magno/AFP

Na reta final ao julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em Porto Alegre, a militância do PT prepara um abraço coletivo ao prédio do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo (SP). A manifestação de apoio ao petista vai além de uma demonstração de força, terá o objetivo de fazer uma barreira humana para impedir provocações de grupos opostos. Aliados do ex-presidente vão manter uma vigília ao redor dele, evitando deixá-lo sozinho enquanto desembargadores do TRF-4 definem seu destino político.

À sete chaves. Lula deve assistir ao julgamento da sede do partido, em São Paulo, ou de São Bernardo, berço político do PT. Aliados do petista preferem manter reserva do local.

Do seu bolso. Deputados e senadores que vão acompanhar a decisão em Porto Alegre foram orientados a não usarem a cota parlamentar para comprar as passagens aéreas.

Sem black blocs. A cúpula do PT distribuiu aos militantes ontem um documento em que desautoriza o uso de máscaras nos rostos. O texto diz também que não será permitida a entrada de “armas, drogas ou bebidas alcoólicas nos ônibus” das caravanas.

À espera. O PSB reavalia se mantém o convite ao ex-ministro Joaquim Barbosa (STF) para disputar a Presidência. A resistência esbarra na questão orçamentária.

Cofre dividido. O partido socialista calculou que terá de destinar cerca de R$ 30 milhões dos R$ 118,8 milhões do fundo eleitoral à candidatura própria ao Planalto. Com isso, os repasses aos dez candidatos a governos serão reduzidos.

Muy amigos. Os presidentes do Senado, Eunício Oliveira, e da Câmara, Rodrigo Maia, começaram ontem a definir uma pauta em comum para as duas Casas. As prioridades são segurança pública e estímulo às microempresas, com a derrubada do veto ao Refis.

Sem convidados. A estratégia para derrubar a liminar que impedia a posse de Cristiane Brasil no Ministério do Trabalho foi definida pelo subchefe jurídico da Casa Civil, Gustavo do Vale. A cerimônia está prevista para hoje, às 9h, sem  a presença do pai, Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB.

 

SINAIS PARTICULARES. Fernando Coelho Filho, ministro de Minas e Energia. Ilustração de Kleber Sales.

Portas abertas. O ministro Fernando Coelho Filho (Minas e Energia) distribuirá no Fórum Econômico Mundial de Davos um folder em inglês sobre o potencial de investimento na geração de energia de fontes renováveis no Brasil.

Oferta. O texto anuncia a investidores estrangeiros a venda de ações da Eletrobrás, apesar de a privatização ainda constar de projeto de lei que precisa ser aprovado pelo Congresso. Aliás, a proposta assinada por Temer na sexta deve ser publicada hoje no Diário Oficial da União.

CLICK. Pré-candidata do PCdoB ao Planalto, Manuela d’Ávila aproveitou uma passagem por Lisboa para tietar Pilar del Río, a companheira do escritor Saramago.

Na pauta. O plenário do TSE deve voltar a julgar a cassação do prefeito petista de São Leopoldo (RS), Ary Vanazzi na primeira sessão após o recesso do Judiciário, em fevereiro. Se Ary for derrotado, o PT perderá mais uma prefeitura no País.

Homenagem. Autor de Os Sertões e jornalista do Estado, Euclides da Cunha teve seu nome incluído no Livro dos Heróis da Pátria. A obra reúne brasileiros que fizeram história, como Tiradentes.

 

BOMBOU NAS REDES!

Foto: Andre Dusek|Estadão

“Nós estaremos aqui para não permitir que ações como essa sigam em frente!”, DO SENADOR RANDOLFE RODRIGUES (REDE-AP), manifestando-se contrariamente ao projeto de lei que privatiza a Eletrobrás.

COM NAIRA TRINDADE (EDITORA INTERINA) E REPORTAGEM DE LEONEL ROCHA E ISADORA PERON. COLABOROU VERA ROSA

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão