PSDB entre o paraíso e o precipício na capital

PSDB entre o paraíso e o precipício na capital

Coluna do Estadão

17 de novembro de 2020 | 05h00

Foto: Nelson Almeida / AFP

A disputa em São Paulo ganhou contornos dramáticos para o PSDB nacional: é a única chance de vitória dos outrora muito poderosos tucanos nos 15 maiores colégios eleitorais do País. Há ainda uma agravante para o partido: o DEM, linha auxiliar do PSDB até bem pouco tempo, já levou dois desses colégios (Salvador e Curitiba) e tem boas chances no Rio, o segundo maior deles, atrás de São Paulo. Se perder o direito de influenciar os destinos dos 14 milhões de paulistanos, os tucanos terão uma redução drástica em seu poder de fogo para 2022.

Risco. Numa imagem, com Bruno Covas no segundo turno, o PSDB está a um passo do paraíso (9 milhões de eleitores). No meio, porém, há um precipício.

Projeção. O PSOL, de Guilherme Boulos, disputa também a prefeitura de Belém, com Edmilson Rodrigues. A capital do Pará é o 11.º colégio eleitoral. Se ambos vencerem, o partido garante quase 10 milhões de eleitores nesse recorte.

Diversidade. Levantamento feito pela Coluna mostrou que o cenário nos maiores colégios eleitorais tende a ser pulverizado, sem a hegemonia de um partido, a despeito do bom posicionamento do DEM.

Expectativa. O Republicanos disputa o segundo turno em três cidades: Rio, com Marcelo Crivella, Campinas (SP), com Dário Saadi, e São Luís (MA), com Hildelis Duarte.

Realidade. O PSD comandará Belo Horizonte (MG), com Alexandre Kalil, e disputa o segundo turno em Goiânia (GO), com Vanderlan Cardoso, e Guarulhos (SP), com Gustavo Costa, conhecido como Guti.

Treze… No Estado de São Paulo, o PSDB foi bem: elegeu 180 prefeitos, além de 92 vices. Outros sete candidatos ainda disputam o segundo turno.

…listas. É no Estado que o PSDB pode fazer diferença: se vencer todas no segundo turno, governará quase 52% dos paulistas.

Voto hipster. Boulos obteve boa votação em Pinheiros, a “hipsterlândia chique” da capital. O desafio para ele agora é melhorar seus índices nos extremos periféricos. Para isso, conta com a ajuda dos petistas.

SINAIS PARTICULARES.
Guilherme Boulos, candidato do PSOL à Prefeitura de São Paulo

Ilustração: Kleber Sales

Culpa… “A direita, como projeto, perdeu muito”, disse à Coluna a autora do impeachment de Dilma Rousseff, Janaina Paschoal (PSL-SP). A deputada estadual lamenta ainda o fato de alguns membros da direita estarem espalhando boatos de “fraude”: “Não houve fraude. As urnas falaram”.

…do Jair? Parte do mau desempenho da direita nas disputas a deputada põe na conta de Jair Bolsonaro. “Errou ao sair do PSL e deixar tantos potenciais candidatos indecisos. Errou ao confundir seguidores com eleitores”, afirmou.

CLICK. Eleito com 64,2% dos votos, o candidato do DEM Bruno Reis (à dir.) em Salvador não perdeu tempo. Vice-prefeito de ACM Neto, já começou hoje a transição.

Reprodução/Instagram

Tem… Se a votação da reforma tributária fosse hoje, 28% dos parlamentares escolheriam a proposta de autoria do deputado Baleia Rossi (MDB), a PEC 45; outros 13% optariam pela PEC 110, do senador Acir Gurgacz (PDT), e 19% ficariam com uma proposta mista.

…base. É o que mostra levantamento feito com 170 parlamentares do Congresso pelo Instituto FSB Pesquisa. Para 22% dos entrevistados, o principal obstáculo para a aprovação de uma reforma é a falta de consenso entre Estados, Congresso e governo.

PRONTO, FALEI! 

Foto: André Dusek/Estadão

Katia Abreu, senadora (PP-TO): “Tudo vira polêmica sem fim. Já apuraram os votos e pronto. Não existe fraude nenhuma. Vamos trabalhar, gente. Há tantas coisas a fazer mais importantes.”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA. 

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.