Projeto quer proibir deputado de fazer ‘live’

Projeto quer proibir deputado de fazer ‘live’

Coluna do Estadão

24 de fevereiro de 2019 | 00h30

Deputado estadual Campos Machado (PTB). FOTO: DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO

Na crescente tensão entre os deputados eleitos e a velha guarda da Assembleia-SP, o veterano Campos Machado (PTB) espera os calouros com seu cartão de visitas: um projeto para restringir postagens e “lives” (transmissões ao vivo) na tribuna, no plenário, audiências e comissões. O experiente líder quer proibir o uso pelos próprios parlamentares de smartphones, tablets e “similares”. Impulsionados pelas redes sociais, os novatos tomam posse dia 15 com a promessa de combater o “corporativismo” e dar mais “transparência” à Casa.

Monólogo. Campos alega no texto que as “lives” são “atividade paralela”, exclusivas para seguidores de redes sociais, “que impedem o uso de um aparte” e podem levar à “incitação de movimentos de protestos” e até “à violência”.

Censura? No projeto, o deputado nega se tratar de “censura”. Como mostrou esta Coluna, veteranos se revoltaram contra a pressão nas redes por renovação na Casa. Apontaram Janaína Paschoal (PSL) como mentora da ação digital.

Endereço certo. Campeã de seguidores nas redes sociais, Janaína é candidata a presidente. Assim como ela, outros 51 novos deputados (dos 94) assumirão em março, numa das maiores renovações da Assembleia.

SINAIS PARTICULARES

NOVOS LÍDERES DO CONGRESSO

Tadeu Alencar, líder do PSB na Câmara (PE)

Crédito: Kleber Sales.

Conexão. Também novato e candidato a presidente, Daniel José (Novo) avisa: “A Assembleia precisa se reconectar com a sociedade e ser mais eficiente. Chegaremos com a responsabilidade de representar o anseio da sociedade”

O filho é teu. Parlamentares do Centrão cogitaram entregar a relatoria da reforma da Previdência a Joice Hasselmann (PSL-SP), para deixar com o partido do presidente Bolsonaro a responsabilidade pelo projeto.

Melhor não. Avaliaram, no entanto, que seria melhor alguém com mais experiência. Agora querem emplacá-la como líder do governo no Congresso.

Preferido. Rodrigo Maia disse a aliados que vai convencer Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) a relatar a reforma. Ele tem resistido.

Verificação… No acordo firmado entre o Ministério Público Federal, o de Minas Gerais e a Arcelor Mittal Brasil, a empresa concordou em bancar uma segunda auditoria, a cargo de terceiros, para suas barragens.

…dupla. A segunda auditoria se reportará aos investigadores. Neste mês, moradores de Itatiaiuçu (MG) foram retirados de casa por causa de riscos na barragem de Serra Azul.

Boa vontade. A Arcelor Mittal aceitou quase todos os termos dos procuradores e promotores.

CLICK. O senador Flávio Bolsonaro tem o 17, do seu partido (PSL), na placa do veículo oficial. No Senado, há projetos para restringir o uso dos carros por parlamentares.

Juliana Braga/Estadão

IPostal. Com seu projeto para transformar o Minhocão em parque, o prefeito Bruno Covas (PSDB) joga na mesa uma de suas principais cartas em busca de uma marca própria na Prefeitura de São Paulo. Mira sobretudo o voto da classe média “progressista” das áreas centrais da capital.

Ruído Com o mesmo objetivo, Bruno colocou Alê Youssef, que foi ligado ao PT e PSOL, na Cultura. A escolha desagradou a aliados do governador Doria.

A SEMANA

Segunda-feira, 25
Delegação do Brasil participa de reunião do Grupo de Lima

Com outras lideranças regionais, Mourão e Ernesto Araújo participam do encontro em Bogotá para discutir Venezuela

Quarta-feira, 27
STF julga ações que discutem Lei de Responsabilidade Fiscal

Um dos principais pontos analisados é a possibilidade de Estados diminuírem a carga horária e o salário de servidores.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, JULIANA BRAGA E MARIANNA HOLANDA. 

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Tendências: