Programa Avançar Parcerias do governo empacou

Programa Avançar Parcerias do governo empacou

Luiza Pollo

04 Março 2018 | 05h30

REUTERS/Pilar Olivares

A indefinição sucessória no Brasil deixa os investidores com um pé atrás. Preocupado, o presidente Temer despacha ministros para Nova York esta semana, para dizer que o cronograma de concessões e privatizações será mantido. Mas, de 34 projetos da carteira do PPI, definidos no programa Avançar Parcerias, só cinco já tiveram sinal verde do TCU para ir a leilão. Prevista para ser leiloada no mês passado, a subconcessão da ferrovia Norte-sul ainda está em avaliação na Corte de contas. Estrela do programa, a privatização da Eletrobrás ainda está em análise no Congresso.

Panelaço. Pressões contrárias à venda da Eletrobrás prometem ganhar destaque no Fórum Mundial da Água. Quarenta mil pessoas de mais de 100 países começam a chegar a Brasília para o evento, que será de 18 a 23 de março.

Caso perdido. Advogados amigos do ex-presidente Lula consideram pouquíssimas as chances de ele conseguir reverter no STJ a prisão após a condenação em 2.ª instância e apostam todas as fichas no Supremo.

Deixa como tá. Relatam que saem das conversas com ministros do STJ certos de terem o desgaste de uma decisão contrária ao TRF-4. A Corte deve julgar na terça habeas corpus da defesa do petista.

Avança uma casa. Lulistas dizem que no Supremo a sinalização é outra. Ministros indicam que devem seguir a proposta de Dias Toffoli pela qual a prisão deve ser decretada após julgamento de recurso pelo STJ.

Juntos de novo. O presidente do PPS, Roberto Freire, tenta juntar em uma mesma chapa o presidenciável tucano Geraldo Alckmin e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), como vice. PPS, DEM e PSDB lideraram o processo de impeachment da ex-presidente Dilma.

Experimento. O DEM lança, na quinta-feira, Rodrigo Maia ao Planalto. No PSDB e no PPS a expectativa é de que ele desista da candidatura se continuar com 1% das pesquisas até agosto, prazo das convenções partidárias. Até lá, vai se cacifando para ser o vice na chapa de Alckmin.

Sinais Particulares: Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara; por Kleber Sales

Suspeita. A investigação da Lava Jato sobre a suspeita de lavagem de dinheiro
pela Federação do Comércio do Rio de Janeiro detectou repasse de R$ 840 mil ao desembargador do TRE-DF Everardo Gueiros.

Com a palavra. Gueiros diz que recebeu o valor como advogado, que a lei lhe permite atuar como defensor, com exceção da área eleitoral, e que não vê problema ético nisso.

Enxurrada. O Congresso tem 12 projetos criminalizando fake news. Onze deles tramitam na Câmara.

CLICK. Antes de começar a trabalhar, o deputado Jorginho Mello (PR-SC) pede proteção divina no minialtar que mantém no gabinete na Câmara dos Deputados.

Porta na cara. Os governos de MS, RO e RR pediram ao Planalto presença mais forte das Forças Armadas para ajudar na segurança pública. O ministro Raul Jungmann respondeu que o problema não se resolve com defesa. “Por favor, não façam esse atalho.”

Fumaça. O secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos do Ministério da Saúde, Marco Antonio Fireman, se chocou com o ministro Ricardo Barros.

AGENDA

Segunda-feira, 5

Jungmann debate segurança com prefeitos das capitais

O ministro Raul Jungmann quer envolver toda a sociedade para atuar no combate à criminalidade no Brasil.

Quinta-feira, 8

Em convenção, DEM deve lançar Rodrigo Maia à Presidência.

A Convenção Nacional do DEM também prevê trocar o comando do partido das mãos de Agripino Maia para ACM Neto.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E LEONEL ROCHA. COLABORARAM LU AIKO OTTA E TÂNIA MONTEIRO

Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão