Prisão de Temer foi embasada por delação negociada pela PF

Prisão de Temer foi embasada por delação negociada pela PF

Juliana Braga

22 de março de 2019 | 06h00

Ex-presidente Michel Temer. Foto: Werther Santana/Estadão

Após o processo de fritura ao qual foi exposto o Ministério Público Federal em Curitiba por conta do fundo da Lava Jato, começa a se consolidar o protagonismo da Polícia Federal (PF) nas delações premiadas.

As informações que subsidiaram a prisão do ex-presidente Michel Temer ontem foram obtidas em acordo homologado pelo ministro Luís Roberto Barroso em agosto do ano passado, dois meses após o Supremo Tribunal Federal liberar a corporação a celebrar esses entendimentos. E não para por aí. Há mais de um acordo sendo negociado neste momento pelo grupo da PF que lida com autoridades com foro.

A operação nasceu das informações fornecidas ao Serviço de Inquéritos Especiais (Sinq) da PF pelo ex-executivo da Engevix, José Antunes Sobrinho. Quando Temer perdeu o foro, os dados foram encaminhados para o Rio. Só então o Ministério Público aderiu. (Juliana Braga)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: