Prisão de Cesare Battisti na Bolívia foi por acaso

Prisão de Cesare Battisti na Bolívia foi por acaso

Coluna do Estadão

15 de janeiro de 2019 | 05h00

A prisão de Cesare Battisti ocorreu por acaso no último sábado. A Polícia Federal brasileira tinha um indicativo de que ele estava escondido em Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, e relatou o fato à corporação daquele país. A polícia italiana também tinha essa informação. Porém, ninguém sabia onde ele estava escondido. Uma fonte da PF no Brasil diz que nenhuma diligência para localizar Battisti foi feita, como mandados de buscas em residências. Um policial local, que não estava nessa missão, esbarrou com ele na rua, o identificou e o prendeu.

Vou de táxi. A PF enviou um avião Cessna Caravan para levar Battisti de Santa Cruz até Corumbá, cidade mais próxima, mas não foi necessário. Ninguém queria arriscar ter que levá-lo de carro nos mais de 600 km caso a opção fosse trazê-lo para o Brasil.

Fim de papo. A fuga de Battisti para a Bolívia não vai gerar um novo inquérito no Brasil. Delegados dizem ser um direito dele fugir.

SINAIS PARTICULARES. Cesare Battisti, italiano extraditado; por Kleber Sales

Queda de braço. Ao escolher o major Vitor Hugo para líder do governo na Câmara, o presidente Jair Bolsonaro contrariou a orientação de seu núcleo político, que preferia os deputados Celso Russomanno (PRB-SP), José Rocha (PR-BA) ou Arthur Lira (PP-AL).

Tá pago. Quando Vitor Hugo entrou no PSL, Bolsonaro prometeu a ele a presidência do partido em Goiás, mas mudou de ideia após a filiação do Delegado Waldir. Quando o major se elegeu, pediu a liderança como forma de recompensa da promessa furada.

Troféu. Vitor Hugo foi o único dos 16 servidores da Câmara que tiraram licença para disputar a eleição que conseguiu se eleger. Ele gastou R$ 94,9 mil na campanha e recebeu 31.190 votos.

De malas… Senador eleito, Cid Gomes (PDT) desembarca hoje em Brasília com a missão de angariar votos contra a candidatura de Renan Calheiros (MDB) à presidência do Senado.

…prontas. Na bagagem, Cid leva um manifesto para apresentar aos colegas em que defende repartir os poderes do presidente da Casa com o bloco. Ele contabiliza o apoio de 15 senadores e quer convencer outros 32, totalizando 47. Seu grupo ainda busca um candidato.

Sem trégua. A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, quer endurecer a punição a líderes religiosos que cometam crimes sexuais. Esse maior rigor valerá para todos: de pastores evangélicos a gurus, como João de Deus. Na infância, ela foi abusada por um pastor.

Cooperação. Damares pediu a sua equipe que faça um levantamento nos projetos de lei que já tratam do assunto no Congresso para levá-los adiante, mas não descarta a possibilidade de o Executivo apresentar uma nova proposta.

CLICK. Kim Kataguiri (DEM-SP) vai ocupar o gabinete que hoje é do deputado Sibá Machado (PT-AC). “Dia 1º eu assumo e faço uma limpeza”, disse a seus seguidores.

Reprodução/Instagram Kim Kataguiri

Exoneração. Uma nova leva de demissões e contratações deve ser publicada no Diário Oficial da União de quinta-feira. Será a vez da ‘faxina’ na Secretaria de Comunicação, comandada por Floriano Amorim.

Na lista. Após deixar a Rede Globo, o jornalista Alexandre Garcia está cotado para comandar a Empresa Brasil de Comunicação.

Fica para depois. À frente do plantão do STF, o ministro Luiz Fux quer deixar para depois do recesso as decisões sobre as ações penais de Jair Bolsonaro.

PRONTO, FALEI!

“Tecnicamente, ele é preparado. Politicamente, terá quem lhe dê suporte, como eu, que estarei à disposição”, DA DEPUTADA FEDERAL ELEITA, JOICE HASSELMANN (PSL-SP), sobre o deputado Vitor Hugo virar líder de governo.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E JULIANA BRAGA. COLABOROU TEO CURY

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.