Presidente do Conselho de Ética deixa denúncia contra senadoras para agosto

Naira Trindade

13 de julho de 2017 | 16h20

Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O presidente do Conselho de Ética do Senado, João  Alberto, só vai deliberar sobre denúncia em desfavor das senadoras em agosto, quando retomarem as atividades após o recesso parlamentar.

Diferentemente do caso de Aécio Neves, João Alberto avisou que não vai decidir monocraticamente e quer reunir o colegiado para deliberarem. “Não há  mais tempo de reunir o conselho antes do recesso”, pontua.

João Alberto mandou que fosse juntado o o pedido de reconsideração da denúncia ao processo. O pedido tem assinaturas de apoio dos senadores Jader Barbalho, Randolfe Rodrigues, Paulo Rocha, Lindbergh Farias, Hélio José, Vicentinho Alves, Telmário Mota, Jorge Viana, Humberto Costa, Armando Monteiro, Elmano Férrer, Ciro Nogueira, Paulo Paim, Roberto Requião, Otto Alencar, Wellington Fagundes, Reguffe, José Serra, Omar Aziz, José Pimentel e Lúcia Vânia.

A denúncia em desfavor das senadoras foi protocolada nessa terça-feira pelo senador José Medeiros (PSD-MT) e mais 14 (quatorze) senadores e pede a abertura de processo disciplinar das senadoras Gleisi Hofmann (PT-PR), Vanessa Grazziotin (PcdoB-AM), Fátima Bezerra (PT-RN), Regina Sousa (PT-PI), Ângela Portela (PDT-RR) e Lídice da Mata (PSD-BA).