Por reforma, Temer endurece relação com aliados

Por reforma, Temer endurece relação com aliados

.

Luiza Pollo

16 de abril de 2017 | 05h30

Ilustração: Kleber Sales/Estadão

Ilustração: Kleber Sales/Estadão

Com popularidade em baixa, o novo fantasma a assombrar o presidente Michel Temer é a possibilidade de não conseguir aprovar a proposta de reforma da Previdência. Por ter colocado o tema como a maior prioridade do governo e atrelar a recuperação da economia à mudança, Temer precisa mais do que nunca da votação da proposta, que continua sendo contestada pelos parlamentares da base. Nas últimas horas, o presidente mandou um claro aviso aos aliados: aceita negociar o texto, mas não admite a hipótese de a reforma não ser aprovada.

Para mostrar que a conversa é séria, Temer admite até cortar cargos e retirar ministérios de partidos que se mostrarem intransigentes no apoio ao governo nesse momento. O Planalto vai passar o fim de semana mapeando votos e checando resistências.

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao

Tudo o que sabemos sobre:

Michel Temer

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: