Polêmicas turbinam Salles nas redes sociais

Polêmicas turbinam Salles nas redes sociais

Coluna do Estadão

26 de abril de 2021 | 05h00

Ministro Ricardo Salles. FOTO: GABRIELA BILO/ESTADAO

Dado relevante para quem ainda não entendeu como opera a rede bolsonarista de fustigar ou de turbinar reputações: as expectativas em torno da Cúpula dos Líderes sobre o Clima, o “fica, Salles”, o “fora, Salles” e a polêmica com a cantora Anitta impulsionaram Ricardo Salles: entre os ministros de Jair Bolsonaro, ele está no topo do Índice de Popularidade Digital (IPD), feito com exclusividade para a Coluna, pela consultoria Quaest. Na condição de estilingue ou de vidraça, Salles cresceu na principal arena bolsonarista, as redes sociais.

Subiu. Em resumo, independentemente dos resultados de sua gestão controversa no Meio Ambiente, Ricardo Salles ocupou espaços e ganhou seguidores.

Mão… Ou seja, as redes bolsonaristas e seus porta-vozes, como Salles, Abraham Weintraub e Ernesto Araújo, se retroalimentam atacando adversários de um lado e ganhando adeptos/propagadores de outro.

…dupla. Obviamente, esse resultado pode ajudar o ministro do Meio Ambiente em futuras campanhas eleitorais. Em 2018, Salles foi candidato a deputado federal em São Paulo, mas não conseguiu se eleger.

Bem… De zero a cem, Salles pontuou 72.2 no último dia 22 em popularidade. Em segundo lugar, aparece Tarcísio Freitas (Infraestrutura), que passou a ser cotado até para ser vice de Bolsonaro em 2022, com 66.8.

…na… Ernesto Araújo, ex-chanceler, teve um pico de popularidade quando deixou o Itamaraty, em 29 de março deste ano. Desde então, vem murchando em relevância, mas ainda se mantém forte.

…fita. Segundo este mais recente levantamento da Quaest, Araújo está com 36,8 no IPD, à frente, por exemplo, de Paulo Guedes (Economia), Augusto Heleno (GSI) e Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia). O ex-chanceler também é um nome lembrado eleitoralmente pelos bolsonaristas.

Metodologia. O IPD avalia e mensura número de seguidores, engajamento, mobilização, reações positivas e negativas e até buscas no Google e na Wikipedia. A métrica leva em conta dados do Facebook, Twitter, Instagram e Youtube.

Nos livros… Ex-ministro do STF, Celso de Mello disparou contra o projeto protocolado por Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PSL-SP) para acabar com o feriado de Tiradentes, 21 de abril, e instituir 22 de abril, da descoberta do Brasil.

…de História. “Os republicanos históricos definiram o 21 de abril como a data comemorativa da República, que constitui forma de governo que consagra, ao contrário do regime monárquico, a essencial igualdade entre todas as pessoas. Na República, não há súditos, mas sim, cidadãos”, afirmou à Coluna.

CLICK. Jair Bolsonaro saiu para mais um “rolê” de moto no final de semana, em Brasília. Em vídeos das redes sociais, o presidente apareceu depois sem usar máscara.

FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

‘O Astro’. Como muita gente sabe, uma das “bolas de cristal” mais temidas da política sempre foi a do ex-ministro e presidente do PSD, Gilberto Kassab.

SINAIS PARTICULARES
Gilberto Kassab, ex-ministro e presidente do PSD

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES/ESTADÃO

Eu vejo… Em entrevista recente ao jornal Valor Econômico, o “guru” disse que a pandemia e o cenário econômico podem deixar o presidente Jair Bolsonaro fora do segundo turno da eleição presidencial.

…o futuro. A “previsão” de Kassab levou pânico à corte bolsonarista, por motivos diversos, claro.

PRONTO, FALEI!

Eduardo Jorge. FOTO: EDUARDO NICOLAU/ESTADÃO

Eduardo Jorge, médico sanitarista e candidato a vice-presidente em 2018: “Meu candidato para 2022, senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), deu um pequeno passo adiante. Veja entrevista ao Estadão. Opção a Bolsonaro/Lula é possível.”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG E MARIANNA HOLANDA. COLABOROU RAFAEL MORAES MOURA

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.