PMDB fecha questão e vai punir quem trair Temer

Andreza Matais

12 de julho de 2017 | 11h08

Foto: Nilton Fukuda/Estadão

 

O presidente do PMDB, senador Romero Jucá (RR), informou pelo Twitter que o partido decidiu fechar questão e obrigar seus deputados a votarem pela rejeição da abertura de processo contra o presidente Michel Temer.

Jucá diz que os deputados que não seguirem a determinação do partido serão punidos. “Quem não cumprir a decisão será enquadrado pelo conselho de ética do partido e sofrerá punição”, escreveu. O partido tem 63 deputados em exercício.

Na semana passada, Jucá havia dito que o partido não fecharia questão, mas a posição mudou depois que o governo fez as contas e concluiu que precisa de votos tanto na CCJ quanto no plenário.

O relator da denúncia contra Temer na CCJ é do PMDB. Nesse caso, portanto, o partido recomenda votar contra o próprio partido. O deputado Sérgio Zveiter (PMDB-RJ) fez um parecer duro, disse que os fatos são graves e que há indícios suficientes para que o STF processo o presidente.

Zveiter foi indicado para a função pelo presidente da CCJ, Rodrigo Pacheco (MG), que também é do PMDB. Pacheco escolheu o nome sozinho sem ouvir seus colegas de partido e ciente de que Zveiter daria voto contra Temer, líder máximo do PMDB.