PMDB e PT já discutem alianças nos Estados

PMDB e PT já discutem alianças nos Estados

Coluna do Estadão

27 Agosto 2017 | 05h30

SINAIS PARTICULARES – DANIEL VILELA
ILUSTRAÇÃO – KLÉBER SALES

 

Adversários na política nacional, PMDB e PT já começam a se juntar na formação de alianças para as eleições de governadores. Em Goiás, por exemplo, o deputado federal Daniel Vilela (PMDB) vai concorrer ao governo e admite a hipótese de ter o ex-prefeito de Anápolis Antônio Gomide (PT) como seu vice. Daniel, uma das apostas do partido, é filho do ex-governador Maguito Vilela, que já presidiu o PMDB. O presidente nacional do PMDB, senador Romero Jucá (RR), vai propor que a executiva vete alianças com os adversários PT e PCdoB.

Blindado. Daniel Vilela diz não acreditar em veto, caso se confirme sua aliança com o PT. “Meu pai é quadro histórico do PMDB e sempre apoiou o Lula. Não vejo problemas”, diz.

Barba de molho. Os governistas já começam a montar sua estratégia para evitar que Lula e a oposição repitam na eleição de 2018 o discurso da campanha de 2006 de demonizar o processo de privatizações.

Vacina. Como Lula já tem criticado as novas privatizações, um dos antídotos dos governistas será citar os escândalos envolvendo estatais sob o comando do governo petista, para passar a mensagem de que a oposição só quer se aproveitar dessas empresas.

Na jugular. Um dos possíveis adversários de Lula, o prefeito de São Paulo, João Doria, prefere o enfrentamento direto. “Lula não gosta de privatizar nem de trabalhar. Gosta mesmo é de prevaricar”, afirma.

Vem gente. O número de funcionários que aderiram ao PDV da Casa da Moeda está aquém do esperado. A expectativa é de que 470 se desliguem da empresa, mas até agora 217 aderiram.

Raspando o tacho. A empresa enxuga os gastos para evitar prejuízo em 2017 por causa do fim do Sistema de Controle de Bebidas, que lhe garantia maior receita. Cortes em contratos já geraram economia de R$ 26 milhões à Casa da Moeda. A Coluna revelou na sexta que a Casa da Moeda gasta R$ 8 milhões com sistema de saúde para seus funcionários e que este é mais um contrato que será reduzido.  O PTB, que controla os cargos na empresa, se apega nisso para tentar evitar a privatização da firma.

Ela voltou. Aloysio Nunes mudou o cardápio do Itamaraty. Reinstituiu a farofa, que ninguém sabe por que havia sido banida.

Bullying. Ao visitar o chanceler Aloysio Nunes, o deputado Vicente Cândido (PT-SP), relator da reforma política, não se conteve. “Vocês, do PSDB, enlouqueceram?”, perguntou ele, numa referência às brigas na seara tucana. “Nem nós, do PT, com tantas tendências, faríamos igual.”

CLICK. O deputado Vicentinho (PT-SP) participa do lançamento do livro “Felicidade Fechada”, de Miruna Genoíno, filha do ex-deputado José Genoíno, em Diadema.

Foto: Facebook Vicentinho

Quebra de braço. Integrantes da cúpula do DEM que admitem a mudança no nome do partido estão divididos entre “Mude” e “Centro”. Aguardam pesquisa para bater o martelo. A sigla quer se renovar já para a disputa eleitoral de 2018.

Batendo ponto. José Sarney esteve oito vezes com Michel Temer neste ano no Planalto. A última visita foi quinta, um dia antes de ser denunciado na Lava Jato.

Boca do inferno. Na denúncia apresentada contra caciques peemedebistas, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, usou o poema O Todo Sem a Parte Não é Todo, de Gregório de Matos, na introdução.

 

A SEMANA

Terça-feira, 29

O presidente Temer embarca com comitiva para a China

Temer quer vender aos empresários orientais o novo pacote de concessões, que envolve a Casa da Moeda e a Eletrobras.

Plenário da Câmara volta a analisar Reforma Política

Sem consenso sobre temas e sob o comando de André Fufuca, do Centrão, Câmara tenta analisar a reforma política.

 

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao

Mais conteúdo sobre:

PMDBPTEleições