Planalto quer faturar vitória e votar reforma da Previdência

Planalto quer faturar vitória e votar reforma da Previdência

Coluna do Estadão

03 Agosto 2017 | 05h30

SINAIS PARTICULARES – MICHEL TEMER
ILUSTRAÇÃO – KLÉBER SALES

O governo quer capitalizar a derrubada da denúncia contra Michel Temer para destravar a reforma da Previdência. Aliados do presidente acham que a votação mostrou que a base pode ser reorganizada e dobrar a resistência que a reforma enfrenta. Mas o otimismo do Planalto diverge da realidade no Congresso. Aliados acham que a reforma pode renascer se for restrita à questão da idade mínima. “Se o governo limitar a proposta a isso, fica mais confortável para votarmos. Do contrário, acho difícil”, avalia o deputado Daniel Vilela (PMDB-GO).

Eu estou me demitindo… Apesar da vitória no Congresso, Michel Temer deve sofrer baixas entre os aliados. Roberto Justus deve deixar o Conselho Econômico que assessora o governo.

De saída. Em meio à acalorada votação da denúncia de Temer, Alexandre Baldy (GO) foi destituído da liderança do Podemos e deve deixar a legenda.

Não sabe brincar… Presidente do partido, Renata Abreu (SP) se irritou por Baldy ter orientado a bancada a votar a favor de Temer. Ela votou pela admissibilidade da investigação.

É minha. O PP quer a cadeira de Raimundo Sobreira na Superintendência do Departamento Nacional de Pesquisas Minerais (DNPM) na Bahia. Ele é indicado de Jutahy Júnior, que votou contra Temer.

Ajuda indireta. O governador de Pernambuco, Paulo Câmara, nomeou o deputado Kaio Maniçoba (PMDB) como secretário de Habitação. Kaio votaria a favor da denúncia.

Nunca antes… Os governistas sabiam que a oposição não tinha interesse em aprovar a denúncia. Mas a ausência de manifestantes surpreendeu todos.

Feridas fecham. Informalmente, petistas acham que é bom deixar Temer sangrando até 2018. Um peemedebista lembrou que o PSDB quis fazer o mesmo com Lula, em 2005, com o mensalão. O petista se recuperou e acabou reeleito.

Deixa isso pra lá. Chamou também a atenção o fato de poucos petistas se referirem a Lula ou ao partido na hora de manifestar seu voto contra Temer.

CLICK. Tatuado e homenageado, Wladimir Costa e Michel Temer dividem o mesmo sofá, mostrando seu bom relacionamento.

Foto: Coluna do Estadão

 

Precificado. O Planalto se prepara para pagar a fatura da votação. Sabe que a segunda denúncia de Rodrigo Janot será mais encorpada e implicará Eduardo Cunha, Lúcio Funaro e Geddel Vieira Lima. Ou seja, precisa cumprir sua palavra se quiser novamente apoio da Câmara.

Lá vem. O deputado Carlos Marun (PMDB-MS) vai debater amanhã os pontos da MP da reforma trabalhista com centrais sindicais, em São Paulo. Na pauta, a criação de um sistema de sustentação financeira para sindicatos.

No foco… Em reunião da Executiva, peemedebistas decidiram encaminhar novamente a expulsão dos senadores Kátia Abreu (TO) e Roberto Requião (PR) para o Conselho de Ética do PMDB. Aliados de Kátia acham que ela deixa o partido antes disso.

Casa nova. Se o governador do Espírito Santo, Paulo Hartung, não deixar o PMDB, a senadora Rose de Freitas sairá da legenda. Motivo: ela quer disputar o governo contra ele e já recebeu convite do PSDB.

PRONTO, FALEI!

“Blindar a Presidência das investigações só contribui para aumentar a descrença na política e para desmoralizar o Parlamento”, do DEPUTADO RICARDO TRIPOLI, LÍDER DO PSDB.

 

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao