PF prende seis funcionários da Eletronuclear e Justiça afasta atual presidente

-

Andreza Matais

06 de julho de 2016 | 07h58

A operação Pripyat, deflagrada nesta quarta-feira pela Polícia Federal, é um desdobramento da fase da Lava Jato que apurou desvio recursos das obras de Angra 3. 

Seis funcionários da Eletronuclear, que integravam o núcleo operacional das fraudes, tiveram a prisão preventiva decretada e o atual diretor-presidente, Pedro Diniz, foi afastado por ordem judicial.

As investigações da PF apontam que um clube de empreiteiras atuava para desviar recursos da Eletronuclear, principalmente os destinados às obras da Usina Nuclear de Angra 3.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.