PF começou perícia em gravação de Joesley com Temer; peritos pediram gravador

Leia todas as perguntas enviadas pela defesa de Temer para serem respondidas pela perícia

Andreza Matais e Naira Trindade

21 de maio de 2017 | 19h20

A gravação feita pelo empresário Joesley Batista de conversa com o presidente Michel Temer já está em poder da Polícia Federal para ser periciada. A PF já recebeu os questionamentos feitos pela defesa do presidente Temer que serão respondidos pela perícia. A PGR também fez questionamentos. Os peritos oficiaram a Procuradoria-Geral da República pedindo o equipamento utilizado por Joesley para fazer a gravação – o que é considerado fundamental para a conclusão da análise.

A defesa do presidente vem questionando os áudios desde que jornais levantaram questionamentos sobre as gravações. Perícia encomendada pelo Estadão apontou 14 cortes no áudio da conversa de Temer com o empresário. O material foi entregue por Joesley aos procuradores como prova do que disse em sua delação premiada.

Não há prazo para a conclusão da perícia.

Veja as perguntas feitas pela defesa de Temer:

1- As degravações veiculadas pelos meios de imprensa correspondem à integralidade da conversa reproduzida no áudio?
2- Qual o tempo de duração do áudio?
3- É possível identificar a supressão de palavras ou expressões na gravação, ou que tenham sofrido adulteração que lhes modificou o sentido real?? Na hipótese de resposta afirmativa, pode-se apontar os momentos respectivos da gravação?
4- Pelo nome do arquivo, ou pelos seus metadados, é possível identificar a marca, modelo e o sistema de gravação do aparelho utilizado?
5- Qual o formato do arquivo de áudio? Este tipo de arquivo possui alguma proteção contra edições e manipulações? É possível manipular este tipo de arquivo com relativa facilidade?
6- O aparelho utilizado foi resguardado e mantido em cadeia de custódia, conforme determinam os POP’s?
7- No início da gravação ouve-se um áudio que parece ser uma transmissão de rádio. É possível identificar em que horário e quanto tempo durou esta transmissão?
8- No final do áudio, ouve-se nova transmissão de rádio, é possível identificar o horário em que foi realizada esta transmissão?
9- O jornal “Folha de São Paulo” na edição do dia 20 do corrente, afirma que após uma perícia, o Sr. Ricardo Caires dos Santos, perito judicial do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo foram identificadas 50 edições no áudio. É possível aponta-las?

10- O jornal “O Estado de São Paulo”, com base em perícia do Sr. Marcelo Carneiro de Souza, identificou 14 “fragmentações” no mesmo áudio. É possível identificá-las?
11- Há momentos de ruído alto no áudio, é possível identifica-los e apontar a razão de tais ruídos?
12- Esses ruídos podem ter sido incluídos na gravação para mascarar cortes ou edições?
13- A frase “tem que manter isso, viu” dita pelo presidente Michel Temer é imediatamente precedida por qual frase de seu interlocutor?
14- O nome do arquivo identifica uma data. Esta data coincide com o dia do diálogo? Pelo sistema de gravação, se identificado, é comum o salvamento automático com a data do dia de gravação? Se não coincidir é possível afirmar que houve adulteração no nome do arquivo?
15- De acordo com a gravação a ser periciada, é possível analisar a porcentagem de participação de cada interlocutor no diálogo? Em resposta afirmativa, qual seria esta divisão?

Leia aqui o questionário:  

Documento

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.