Pedido de desculpas aumenta racha no PSDB

Pedido de desculpas aumenta racha no PSDB

Luiza Pollo

09 Agosto 2017 | 05h30

Na autocrítica que fará em programa partidário no dia 17, o PSDB vai admitir que se acomodou com certas práticas políticas e que passou a conviver com elas, sem especificar ou nominar. A peça anunciada em inserções comerciais tem provocado ainda mais divisão na legenda. Deputados dizem que souberam pelas redes sociais da intenção da sigla. Num dos trechos, o locutor pede desculpas por não ter insistido no parlamentarismo. “Dos últimos quatro presidentes eleitos, dois foram cassados. No parlamentarismo, isso não teria acontecido.”

Só eles. Os dirigentes tucanos não devem aparecer no programa. A exceção ainda em estudo é exibir os três prefeitos mais pops: João Doria (SP), Nelson Marchezan (Porto Alegre) e Rui Palmeira (Maceió).

Nova tentativa. Michel Temer capitaneia o debate sobre a mudança do sistema de governo para o parlamentarismo. Já há um esboço de projeto propondo referendo sobre o tema nas eleições de 2018.

Prioridade. O presidente está decidido a tocar esse assunto. Acha que o País já vive num modelo semiparlamentarista.

Recado dado. O ministro Henrique Meirelles recebeu um telefonema ontem do presidente Michel Temer com um pedido para que enterrasse de vez o assunto aumento do IR.

Saia-justa. Quando a proposta vazou já havia chegado à área técnica do Planejamento, mas ainda não à
mesa de Meirelles. O que causou mal-estar.

Irredutível. O senador Paulo Paim (RS) avisou ao PT que não desiste de disputar a reeleição para abrir caminho a Dilma Rousseff. “São duas vagas. O eleitor poderá votar nos dois do PT.” Uma possibilidade é Dilma disputar o Senado por Minas Gerais.

Valendo. A Comissão de Ética Pública do PMDB deu prazo de 15 dias para a senadora Kátia Abreu se defender no processo de expulsão por ter apoiado Dilma.

Tô fora. Depois de o candidato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sair derrotado das eleições suplementares de Miguel Leão, no interior do Piauí, o ex-presidente avisou a aliados que não vai mais participar de campanhas eleitorais a não ser a dele.

Bola da vez. Apesar de a primeira denúncia da PGR contra o presidente Michel Temer ter sido sustada pela Câmara, Antônio Cláudio Mariz pode estender o pedido de suspeição de Rodrigo Janot também para tentar invalidá-la quando o presidente deixar o governo.

CLICK. Depois de ter várias canetas roubadas em seu gabinete, o deputado Heráclito Fortes (PSB-PI) oficializou o presente e distribuiu canetas com a descrição.

Heráclito Fortes distribui canetas com a descrição: roubada do gabinete do dep. Heráclito Fortes”// Naira Trindade/Estadão

 

 

Senta lá, Cláudia. Os embargos de declaração da defesa do ex-governador do Amazonas José Melo (PROS) contra sua cassação deverão ser julgados pelo TSE semana que vem.

Tamo junto. O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), afinou o discurso com o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), e vai reforçar os ataques ao PT nas redes sociais.

 

SINAIS PARTICULARES. ACM Neto (DEM), prefeito de Salvador // Ilustração: Kleber Sales

É comigo? Questionado se o Congresso vai aprovar aumento de impostos, o líder do governo no Senado, Romero Jucá, responde: “Que aumento?”

 

PRONTO, FALEI!

Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB

“A ditadura de Maduro apoiada pelo PT e pelo PC do B condenou um prefeito opositor a 15 meses de cadeia. Vai vendo, com Lula vai ser igual.”

 

Veja também na Coluna do Estadão de hoje: Alckmin atende a pleitos do Ministério Público