Pedaladas no BNDES cobriram rombo na Petrobrás

Pedaladas no BNDES cobriram rombo na Petrobrás

-

Luiza Pollo

25 de junho de 2016 | 05h00

Foto: Fábio Motta/Estadão

Foto: Fábio Motta/Estadão

O BNDES encaminhou para a Comissão de Impeachment do Senado dados considerados reveladores pelo grupo que defende a cassação de Dilma Rousseff. O banco entregou a lista dos 20 maiores beneficiários do programa PSI, o “bolsa-empresário”, turbinado à custa das “pedaladas fiscais”. Dela constam grandes empresas que receberam, em 2014 e 2015, R$ 8,54 bilhões em empréstimos. Entre os beneficiários está a Petrobrás, o que demonstra que o governo fez um rombo no banco público para ajudar cobrir outro na estatal assaltada pelo petrolão.

A lista do BNDES enfraquece a defesa do governo de que pedalou para ajudar pequenos e médios empresários. Uma única firma pegou R$ 1,2 bi do programa com juros subsidiados. Para a Petrobrás foram R$ 400 milhões. Sendo metade em 2014 e metade 2015.

O banco público enviou a lista à comissão do impeachment na última semana, sem fazer juízo de valor sobre os atrasos nos repasses do Tesouro para cobrir o subsídio. Mesmo procedimento têm adotado as demais instituições financeiras.

Dilma é acusada de crime de responsabilidade pelas pedaladas praticadas em 2015 e a edição de decretos de abertura de crédito sem autorização do Congresso. No ano passado, o “bolsa-empresário” do BNDES emprestou R$ 1,3 bilhão.

Documento

Siga a Coluna do Estadão:
No Twitter: @colunadoestadao
No Facebook: www.facebook.com/colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: