PDT estuda recorrer ao TSE contra movimentos

PDT estuda recorrer ao TSE contra movimentos

Coluna do Estadão

18 de julho de 2019 | 05h00

Carlos Lupi e Ciro Gomes. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Depois de terem sido chamados de “partidos clandestinos” por Ciro Gomes, movimentos políticos se reuniram em Brasília para analisar a conjuntura. O balanço feito pelos dirigentes do Agora, Livres e Acredito (deste último, faz parte Tabata Amaral) é positivo: avaliam ter o apoio da opinião pública e acham que Ciro e Carlos Lupi tomaram o carimbo da velha política ao punir a parlamentar de 25 anos por ter votado pela reforma da Previdência. Na outra ponta, o PDT pensa em recorrer ao TSE questionando a atuação dos movimentos.

Surfando. Os movimentos querem aproveitar a onda para conseguir definir, via Congresso, novas regras nas estruturas dos partidos, como estabelecer mandatos para dirigentes. Não será fácil com apenas 15 representantes.

Com a palavra. “Nas redes sociais, esses movimentos anunciaram posição política dos eleitos vinculados a eles, como se fossem um partido dando orientação aos seus filiados”, diz Lupi, presidente do PDT.

Linha do tempo. Em 2016, foi um relatório do ministro Dias Toffoli que abriu a possibilidade de o Coaf compartilhar dados globais com investigações. Até então, a troca de informações era vetada.

Tudo como… Os ministros do TCU se reuniram para avaliar a decisão do ministro Dias Toffoli de suspender as investigações que tenham usado dados do Coaf sem a prévia autorização judicial, como o caso de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro.

…dantes. Chegaram à conclusão de que não afeta os trabalhos da Corte no que diz respeito ao combate à corrupção. Por lá, todas as informações são autorizadas antes pela Justiça.

SINAIS PARTICULARES
Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro (PSL-RJ)

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES/ESTADÃO

Mercado… Ministros dos tribunais superiores já realizaram pelo menos 165 palestras para instituições públicas e privadas em 2019. O número pode ser ainda maior porque os ministros não dão ampla divulgação à atividade de palestrantes.

… aquecido. O levantamento foi feito com base em informações públicas, que não necessariamente revelam valores de cachês.

Ranking. Os recordistas são Luís Roberto Barroso, do STF, e Otávio Noronha, presidente do STJ. Ambos deram 12 dessas palestras (procurados, não quiseram comentar o levantamento). Em seguida aparece o presidente do Supremo, Dias Toffoli, com sete.

Fora. No STF, só dois ministros não participaram de eventos de entidades privadas neste ano: Edson Fachin e Celso de Mello.

CLICK. A ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, participou de evento nos Estados Unidos com brasileiros, para tratar da “perseguição a cristãos no mundo”.

FOTO: REPRODUÇÃO INSTAGRAM DAMARES ALVES

Avante. A operação Hórus, de monitoramento da fronteira, será expandida até o fim do ano. O modelo-piloto do Ministério da Justiça empregado no Paraná chegará a Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

Mais caro. As sucessivas apreensões da operação nas fronteiras fizeram até o mercado de cigarros contrabandeados inflacionar. O maço pirateado, que era comprado em municípios próximos à fronteira por R$ 5, já está custando R$ 9.

Impeditivo. O programa Future-se, anunciado pelo MEC, tem ao menos um grande obstáculo: mesmo sendo captação de recursos privados, pode não poder ser usado por causa da PEC do teto de gastos.

PRONTO, FALEI!

Eduardo Bismarck. FOTO: AG. CÂMARA

Eduardo Bismarck, deputado federal (PDT-CE): “O partido desestimula o surgimento de lideranças. Esse constrangimento não incentiva a participação de novos quadros”, sobre a suspensão de deputados pró-reforma.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, JULIANA BRAGA E MARIANNA HOLANDA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Tendências: