Pazuello descarta ideia de recontar os mortos

Pazuello descarta ideia de recontar os mortos

Coluna do Estadão

09 de junho de 2020 | 05h00

Erasmo Salomao/MS

Após um fim de semana de intensa pressão, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse ao presidente do Conselho Nacional de Secretários da Saúde (Conass), Alberto Beltrame, que a proposta de fazer uma recontagem dos mortos pela covid-19 no País é “página virada”. O general mantém boa relação com gestores estaduais e fez questão de informar Beltrame. Um novo escrutínio dos dados, criticado por autoridades da área e, agora, descartado pelo ministro, foi sugestão do empresário Carlos Wizard, que assumiria uma secretaria na Saúde.

Pra quê? “Foi erro técnico e político. Essa confusão aconteceu desnecessariamente. Para arrumar uma curva, não precisa derrubar o site”, lamentou Beltrame.

Ideia. Beltrame sugeriu nova forma de divulgação dos dados. É, basicamente, como o governo tem feito desde que mudou a contagem, mas sem omitir o histórico. Os óbitos ficam contabilizados no dia da morte, não da confirmação. Mas não se “perdem” na contagem.

Refresco. Pela boa relação com Pazuello, a postura dos gestores tem sido a de não jogar fora o bebê com a água do banho. O diálogo é bom e o general resolve os problemas, dizem.

Tabelinha. Partiu do advogado Walfrido Warde Júnior o pedido para Felipe Santa Cruz, presidente da OAB, acionar o STF contra a omissão de dados sobre a pandemia da covid-19 por parte do governo federal.

CLICK. Campeã olímpica, Rafaela Silva se juntou à campanha pelo projeto que institui auxílio a atletas. O texto é de autoria do deputado Felipe Carreras (PSB-PE).

Coluna do Estadão

De olho… O Tribunal de Contas da União (TCU) analisará amanhã a representação do senador Fabiano Contarato (Rede-ES) sobre os gastos sigilosos no cartão corporativo de Jair Bolsonaro. A ação foi protocolada com base em reportagens do Estadão.

…nos dados. A expectativa é por recomendação para ampliar a transparência. Os indícios: 1) o relator, Vital do Rêgo, submeteu a ação ao plenário; 2) decisão recente pela transparência no caso dos militares que receberam auxílio emergencial indevidamente.

Wi-fi... O ministério da Justiça, por meio da Secretaria de Segurança Pública, vai levar internet a 600 delegacias de polícia militar e civil, e unidades de guarda civil nos Estados. O custo do programa será de R$ 5 milhões.

…coletivo. Cuidar da estrutura de delegacias não é competência da pasta, mas a ideia é agilizar processos, como boletins de ocorrência. Num primeiro momento, Estados que vão receber 10 megas para delegacias são: Acre, Alagoas, Amapá, Rio Grande do Norte, Roraima, Sergipe, Tocantins, Rio de Janeiro, Piauí e Maranhão. O projeto terá a duração de 12 meses, podendo ser renovável por tempo indeterminado.

SINAIS PARTICULARES.

Paulo Guedes e Mauro Benevides Filho, ministro da Economia e deputado federal (PDT-CE), respectivamente

Kleber Sales

Ei… Ao apresentar projeto de desvinculação dos fundos públicos para Paulo Guedes, o deputado Mauro Benevides Filho (PDT-CE) ouviu do ministro: “Todo mundo vem aqui pedir dinheiro, você foi o primeiro que veio me dar”.

…você aí. A proposta, mais restritiva que a PEC dos Fundos, apresentada ano passado pelo governo, pode liberar R$ 177 bilhões para os cofres da União. A expectativa de Benevides é de votá-la ainda nesta semana.

De olho. A bancada do Novo na Assembleia-SP protocolou, desde março, 38 pedidos de informação para órgãos e secretarias estaduais sobre contratos emergenciais sem licitação. O retorno não tem sido satisfatório: planilhas confusas e respostas evasivas.

BOMBOU NAS REDES!

TV Cultura

Atila Iamarino, biólogo: “Dos mesmos produtores de ‘Inpe com diretor interino e sem desmatamento’, vem aí o ‘Ministério da Saúde com ministro interino e sem covid-19’.”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.