Pastor prepara agenda de Alckmin com líderes evangélicos ‘anônimos’

Pastor prepara agenda de Alckmin com líderes evangélicos ‘anônimos’

Mariana Carneiro, Felipe Frazão, Matheus Lara e Gustavo Côrtes

09 de maio de 2022 | 05h00

Diante da adesão dos principais líderes evangélicos à campanha de Jair Bolsonaro, o pastor Paulo Marcelo Schallenberger, conselheiro de Lula na comunicação com os religiosos, prepara uma série de reuniões de Geraldo Alckmin com chefes de igrejas menores e dispersas pelo País. “Queremos fazer cafés com mil, dois mil pastores anônimos, que têm ministérios independentes em vários lugares do Brasil. Os grandes já estão com o bolsonarismo”, diz o religioso. Ele inicia a aproximação no dia 29, em encontro com líderes neopentecostais em Itaquaquecetuba (SP). Os pastores Abdias Brandão, do Ministério Cura Divina, e Simplício Neto, do Ministério é Tempo de Santificação, estarão entre os presentes.

Foto: reprodução

VERBO. O presidente do TSE, ministro Edson Fachin, vai se reunir com religiosos no dia 6 de junho para apresentá-los à agenda “Paz e tolerância nas eleições 2022”. Segundo a corte, o objetivo é construir relação de confiança com “igrejas, entidades paraeclesiásticas e lideranças de todas as crenças.”

PRONTO, FALEI. Randolfe Rodrigues, Senador (Rede-AP)

“Eu e Marina Silva temos percepções diferentes (sobre o apoio a Lula). Ela quer um diálogo mais detalhado. Tem que ser logo. Temos pouco mais de cem dias.”

CLICK. Em reunião da pré-campanha de sua irmã, Daniela Maia, que representará o clã de Cesar Maia (dir) na eleição para a Câmara dos Deputados neste ano.

Foto: Divulgação

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.