Partidos querem fazer oposição longe do PT

Partidos querem fazer oposição longe do PT

Coluna do Estadão

30 de outubro de 2018 | 05h30

Tasso Jereissati (PSDB) e Ciro Gomes (PDT) Foto: Dida Sampaio/Estadão

Partidos que farão oposição ao governo Bolsonaro começam a se reunir esta semana para discutir como atuar. Uma preocupação é tentar se diferenciar do PT. Líderes do PSDB dizem que a estratégia será fazer uma oposição pontual, votando os projetos que o partido considerar importantes para o País, diferentemente do “quanto pior, melhor” defendido pelos petistas. Os tucanos querem evitar interpretações de que agem em bloco com o PT. Hoje haverá na Câmara uma reunião entre os líderes do PCdoB, PDT e PSB. O PT não foi convidado.

Escolado. Um tucano graúdo diz que o PSDB vai repetir o que fez na época do governo Collor, quando conseguiu se contrapor aos petistas como oposição, “até porque ninguém saberia fazer diferente”. No “quanto pior, melhor” nada do governo é positivo.

Racha. Se no Congresso o PSDB será oposição, em São Paulo a história é outra. “Vamos fazer o quê? Nos juntar com os derrotados do PT”, justifica o governador eleito João Doria. O grupo do tucano quer impor sua posição com o lema: manda quem tem voto.

Água na fervura. José Serra telefonou ontem para Doria desejando boa sorte. Se colocou à disposição para os projetos de interesse de São Paulo no Senado. O senador não se envolveu na eleição para o governo.

Ponto sem nó. Aliados de Bolsonaro dizem que a indicação do juiz Sérgio Moro para o Ministério da Justiça seria um atalho necessário para ele chegar ao Supremo. Nunca um juiz de primeiro grau foi alçado diretamente a ministro da Corte, já ministros da Justiça….

Todo cuidado… A PF identificou a mulher que portava uma faca durante ato de comemoração da vitória de Bolsonaro domingo. Flagrada por câmeras de TV retirando a faca da bolsa, ela disse pelo Instagram ser apoiadora do presidente eleito e ter levado o objeto “para se defender” caso fosse atacada por “algum maluco”.

…é pouco. No mesmo domingo, Bolsonaro chegou a cogitar ir à rua agradecer aos eleitores em frente de sua casa, mas desistiu depois de ter visto na TV a imagem da mulher com a faca na mão.

Au revoir. Nabhan Garcia, cotado para o Ministério da Agricultura, ironizou o pedido do presidente francês Emmanuel Macron para Bolsonaro manter o Acordo de Paris. “É muito lindo, mas por trás disso existem interesses econômicos. Ele não fez o dever de casa e quer que a gente faça?”

Nas coxias. O entorno de Bolsonaro descarta a hipótese de seu filho Carlos disputar a prefeitura do Rio em 2020. Reservado, foi considerado fundamental na campanha do pai, e deve permanecer auxiliando-o.

Chegou a conta. A AGU vai pedir ressarcimento de pelo menos de R$ 79,5 milhões de candidatos cassados. É o valor gasto pela Justiça Eleitoral para a realização de eleições suplementares. As ações serão individuais. Um dos pleitos mais caros, com custo de R$ 20,9 milhões, foi no Amazonas em 2017.

CLICK. Onyx Lorenzoni, próximo ministro da Casa Civil, é veterinário e dono do Hospital Veterinário Lorenzoni. Bolsonaro vai criar a Secretaria dos Direitos dos Animais.

Reprodução Google Maps

Juntos. Cotado para ministro da Educação de Bolsonaro, o senador Magno Malta (PR-ES) apresentou proposta que permite analfabetos disputarem mandatos eletivos. A senadora Gleisi Hoffmann (PT-SP) foi favorável. O texto ainda não foi votado na CCJ.

 

Sinais Particulares: Magno Malta, senador pelo PR-ES; por Kleber Sales

Minha casa… Delegados dizem duvidar que Bolsonaro fará qualquer movimento para transferir Lula para um presídio. Acham que ele não entraria num assunto interno. A superintendência da PF no Paraná já fez a solicitação ao Judiciário e teve o pedido negado.

 

PRONTO, FALEI!

O deputado Efraim Filho. Foto: André Dusek/Estadão

“A prioridade é a recondução de Rodrigo Maia à presidência da Câmara. O debate sobre liderança fica em segundo plano e não vai dividir a bancada do DEM”, DO DEPUTADO REELEITO EFRAIM FILHO (DEM-PB). 

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E JULIANA BRAGA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.