Partido Novo em alerta com rumos do governo

Partido Novo em alerta com rumos do governo

Coluna do Estadão

24 de agosto de 2020 | 05h00

Paulo Ganime. FOTO: LUIS MACEDO/CÂMARA DOS DEPUTADOS

A recaída populista de Jair Bolsonaro deixou o Novo em alerta. Ala minoritária do partido, liderada por João Amoêdo, já se define como “oposição” ao governo federal. Porém, a maioria ainda prefere reiterar sua postura de “independência”, esperançosa de que a agenda liberal e a responsabilidade fiscal prevaleçam. “Eu não seria oposição nem se o presidente fosse o (Fernando) Haddad (PT). A não ser que seja um projeto para implantar o comunismo ou uma ditadura, defendo sempre ser independente”, disse à Coluna o líder Paulo Ganime (RJ).

Novos tucanos? Ganime nega que o partido esteja em cima do muro e rejeita comparações com os tucanos. “O Novo é um partido previsível, nós sabemos o que nós somos. O PSDB já foi direita, foi esquerda, não sabe. O Novo nunca teria sido omisso ao esquema de corrupção do PT”.

Compromisso. O deputado federal Vinícius Poit (Novo-SP) afirma: “A gente não é base para apoiar qualquer coisa. Temos que nos posicionar de forma dura, não estamos preocupados apenas com reeleição”.

Junto. No ano passado, o Novo foi o partido mais fiel ao governo na Câmara.

Sem… É certo que a saída dos secretários Salim Mattar e Paulo Uebel da equipe de Paulo Guedes gerou incômodo em deputados federais do Novo.

…intermediários. Alguns parlamentares ligavam diretamente para os secretários, sem passar pela articulação política do governo.

CLICK. Jair Bolsonaro prestigiou o secretário Mário Frias ao assinar a Lei Aldir Blanc. O ministro Marcelo Alvaro Antonio foi ignorado pelo presidente em postagem.

Sem… Thaís Ferreira, a líder comunitária que tem sua pré-candidatura a vereador questionada pelo diretório municipal do PSOL do Rio, se diz “surpresa” com o partido: “Me colocaram uma pecha porque participei do Renova BR”.

…reducionismo. “Esse é um lugar que apaga a minha história. É o apagamento clássico que as mulheres negras sofrem. Estou na rua protagonizando movimentos de massa, desde os 16 anos”, afirma Thaís.

Tinha uma pedra. No entorno de Augusto Aras, a avaliação é de que a Lava Jato é hoje o maior entrave em sua caminhada rumo à vaga no Supremo.

SINAIS PARTICULARES
Augusto Aras, procurador-geral da República

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES/ESTADÃO

Opa. Arthur Lira (PP-AL) tem procurado grupos de investidores em busca de apoio na disputa pela sucessão de Rodrigo Maia (DEM-RJ). O presidente da Câmara, sempre cioso de seu bom trânsito na Faria Lima, não gostou do movimento.

Pra já. Responsável por organizar o PL das Fake News na Câmara, Orlando Silva (PCdoB-SP) espera apresentar esta semana a prévia do texto modificado, agora que acabaram as contribuições das entidades.

Correção. A Coluna errou na edição de ontem ao afirmar que a Santa Casa de Misericórdia de São Paulo estava ameaçada por causa da Lei 13.986, que trata de contribuições decorrentes dos atos praticados pelos registros de imóveis.

Correção 2. Serão afetados com a falta de recolhimento o governo do Estado de São Paulo, o fundo de ressarcimentos dos atos gratuitos do Registro Civil, o Tribunal de Justiça, o Ministério Público de SP e os funcionários aposentados e pensionistas dos cartórios paulistas vinculados ao Ipesp. As contribuições à Santa Casa serão mantidas.

BOMBOU NAS REDES!

Roberto Freire. FOTO: ALEX SILVA/ESTADÃO

Roberto Freire, presidente nacional do Cidadania: “Presidente, qual a razão dos depósitos de vários cheques de Queiroz e da mulher dele na conta de Michelle Bolsonaro no valor de mais de R$ 89 mil?”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA. COLABOROU SAMUEL COSTA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: