Parente avaliou que iria atrapalhar o governo

Parente avaliou que iria atrapalhar o governo

Coluna do Estadão

02 Junho 2018 | 05h30

SINAIS PARTICULARES: Pedro Parente, presidente da Petrobrás; por Kleber Sales

Quem convive com o agora ex-presidente da Petrobrás Pedro Parente usa uma frase habitual dele para explicar seu pedido de demissão. Para qualquer situação, o executivo sempre disse que era melhor queimar o fusível do que o motor. No caso, ele é o “fusível” e Temer, o “motor”. Com índice de popularidade baixo e o apoio no Congresso se esvaziando no ano eleitoral, o emedebista precisa dar respostas para a população que cobra também a redução do preço da gasolina. Sabendo disso, Parente avaliou que estava atrapalhando, mais do que resolvendo.

Foi assim… Parente não deu chance para o presidente Temer pedir que ficasse no cargo. Narra um interlocutor: “Como ele tirou do paletó uma cartinha, não caberia fazer nenhum apelo”. Estava gélido, nervoso e, para alguns, assustado.

…não era pra ser. A atitude recebeu críticas de quem acha que ele deveria ter negociado melhor sua saída. “Parente pensou nele, só nele. O governo, o País, que se dane”, diz um auxiliar próximo de Temer.

Tranquilão. Apesar disso, Temer não teria se abalado. “Depois de ter enfrentado dois milhões de caminhoneiros, com diálogo, não iria se desequilibrar com a demissão de um executivo”, garante um aliado.

Sem opção. Interlocutores de Parente respondem. Dizem que ele saiu para preservar a Petrobrás por não concordar com medidas que o governo deve tomar para responder às queixas pelos reajustes constantes também da gasolina.

O cara… Quando Aldemir Bendine assumiu a Petrobrás, em fevereiro de 2015, as ações da empresa despencaram. Voltaram a subir quando foi anunciado que Ivan Monteiro seria o diretor financeiro.

…do mercado. Mesmo efeito ocorreu ontem depois das notícias de que Monteiro assumiria a petroleira após a demissão de Parente. A bolsa fechou ontem em alta de 0,63.

Ela? Solange Guedes, que cuida da área de exploração e produção, é considerada linha-dura, mais do que Pedro Parente. Por isso, assustou alguns a informação de que seu nome foi cotado para a vaga dele.

Agora vai. Depois de quatro ministros se declararem impedidos, o processo em que o Tribunal de Contas da União apura superfaturamento no Rodoanel Norte, em São Paulo, ficou sob a relatoria do ministro Walton Rodrigues, sorteado em abril deste ano.

Tô fora! Augusto Nardes, Vital do Rêgo, Aroldo Cedraz e Ana Arraes se declararam impedidos. A auditoria, revelada pelo Estado, já apontou R$ 55,6 milhões de sobrepreço em pagamentos da Dersa à OAS. O relator autorizou pedido para aprofundar a investigação.

Com a palavra. A Dersa informa que o aprofundamento da investigação foi solicitado pela própria Companhia, “exatamente porque o relatório apresentado pelos auditores é superficial e não fundamenta as conclusões apresentadas”. Diz, ainda, que “já apresentou os esclarecimentos necessários e agora aguarda posicionamento favorável dos ministros”.

CLICK. Logo após ser alvo da Operação Registro Espúrio, o deputado federal Jovair Arantes entrou no Telegram, que garante maior proteção na troca de mensagens.

FOTO: REPRODUÇÃO

Gasolina. A CNT pode dar ainda mais razão aos caminhoneiros na segunda, quando divulga estudo sobre acidentes e infraestrutura rodoviária. No documento são apresentados os fatores que contribuem para a ocorrência de acidentes.

No bolso. Levantamento da ValeCard, especializada em gestão de frotas, aponta que o preço da gasolina comum variou 173% na greve.

PRONTO, FALEI! 

Deputado Marcelo Aro

“Pedir a saída do Pedro Parente era o mantra de todo político que achava que governaria pelo Facebook. Pronto. Já saiu”, DO DEPUTADO Marcelo Aro (PHS-MG), cobrando responsabilidade.

COM NAIRA TRINDADE. COLABORARAM BRENO PIRES, MURILO RODRIGUES ALVES, ADRIANA FERNANDES E ELIANE CANTANHÊDE

Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão