Para vencer no 1º turno, Bolsonaro propõe voto em branco e nulo

Para vencer no 1º turno, Bolsonaro propõe voto em branco e nulo

Coluna do Estadão

06 Setembro 2018 | 05h30

Foto: Fabio Motta/Estadão

A campanha de Jair Bolsonaro (PSL) quer sensibilizar os eleitores para que decidam a eleição já no primeiro turno. Como mostrou a pesquisa Ibope/Estadão/TV Globo, o capitão reformado não consegue derrotar a maioria dos seus adversários num eventual segundo turno. A exceção é o cenário contra o PT, quando registra 36% ante 37% de Fernando Haddad. Para sensibilizar os eleitores, os aliados de Bolsonaro vão defender que quem não vota nele deve optar por branco e nulo, o que reduz o número de votos necessários para elegê-lo já na primeira fase.

Tenta outro. No Supremo, a aposta é que o ministro Celso de Mello (STF) vá se declarar impedido de relatar a petição que pede para derrubar a decisão do TSE que proíbe Lula de participar da eleição. Motivo? É que um dos advogados da defesa de Lula já trabalhou no gabinete do ministro.

Bate mais. A campanha de Geraldo Alckmin comemorou o vídeo em que Michel Temer ataca diretamente o candidato rebatendo críticas ao seu governo. Dizem que ajuda a reforçar a estratégia de dissociar a imagem dos dois.

LEIA MAIS: Centrão dá aval a Alckmin para criticar Michel Temer

Gravando. A artilharia não vai parar por aí. Hoje, Temer vai publicar novos vídeos lembrando que o PSDB apoiou o seu governo até outro dia e que o partido ainda ocupa o Ministério das Relações Exteriores; além de rebater críticas do candidato petista Fernando Haddad ao desemprego.

Campo minado. Geraldo Alckmin vai visitar, dia 21, a Bahia, segundo maior colégio eleitoral do País e dominado por eleitores de Lula. Deve percorrer Salvador e Conquista ou Itabuna. É a primeira vez que ele vai ao Estado na campanha.

Tira do bolso. O PT não poderá usar dinheiro dos fundos eleitoral e partidário para pagar multas aplicadas pelo TSE por eventual propaganda irregular de Lula. Um juiz diz que “multa é decorrente de irregularidade e não pode ser honrada com verba pública”.

Retrovisor. O presidenciável Ciro Gomes (PDT) aposta que herdará os votos de Lula. Sua lógica é que o ex-presidente começou a construir Dilma em 2007, após se reeleger, e não será em dez dias que fará Haddad.

Agora vai. Depois de Raquel Dodge cobrar o acórdão da decisão que tornou o senador Aécio Neves (PSDB) réu, o ministro Luís Roberto Barroso publicou o documento ontem, 141 dias após o julgamento. O prazo para recursos é de 5 dias, do contrário a ação penal será aberta.

No papel. A demora não é incomum no tribunal. Resolução de 2014 limitava a 60 dias o prazo para publicação de acórdãos pelos ministros, mas quase ninguém segue a orientação.

CLICK. A Mancha Alvi Verde, torcida organizada do Palmeiras, faz campanha para Julio Fuda (PR) e Antônio Carlos Rodrigues (PR), ex-senador que foi preso ano passado.

Contra o tempo. A construção do Linhão para ligar RR à produção de energia do resto do País deve começar em março de 2019. O general Luna e Silva (Defesa) foi à região buscar um acordo com os índios. A obra passa por uma aldeia.

OS VICES

SINAIS PARTICULARES. OS VICES Kátia Abreu (PDT), vice de Ciro Gomes (PDT); por Kleber Sales

Me amo. Temer criou ontem a Ordem do Mérito da Segurança Pública, para condecorar quem tenha prestado relevantes serviços ao recém-criado Ministério da Segurança Pública. Ele será o grão-mestre.

PRONTO, FALEI!

João Otávio Noronha

“A pauta do Brasil não pode ficar focada no Lula. O Lula, para mim, é passado. Temos de retomar as discussões para um novo Brasil”, DO PRESIDENTE SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA, JOÃO OTÁVIO NORONHA. 

COM REPORTAGEM DE  NAIRA TRINDADE E JULIANA BRAGA. COLABORARAM BRENO PIRES E GLAUCO DE PIERRE

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao