Para reduzir crise política, reforma trabalhista vai ser acelerada na Câmara

Para reduzir crise política, reforma trabalhista vai ser acelerada na Câmara

.

Luiza Pollo

14 de abril de 2017 | 05h30

Foto: Joédson Alves/EFE

Foto: Joédson Alves/EFE

No meio do terremoto provocado pela divulgação do conteúdo das delações feitas pelos executivos da Odebrecht, o governo resolveu acelerar a discussão da reforma trabalhista. Em conversas feitas nessa quinta, Michel Temer e alguns de seus principais aliados concluíram que precisam acelerar a agenda de reformas para deixar claro que o governo não está paralisado. Por isso, como o conteúdo da reforma previdenciária ainda está sendo negociado, o governo correrá com a trabalhista, numa espécie de blindagem contra a crise política.

A pressa com a reforma trabalhista não significa que o governo jogou a toalha na reforma previdenciária. Muito pelo contrário. A proposta segue sendo a maior prioridade do governo Temer. Mas o governo reconhece que precisa de mais negociações para aprovar o projeto.

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao

Tudo o que sabemos sobre:

Câmara dos Deputadosreforma trabalhista

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: