Para Lupi, Ciro Gomes não precisa do mercado para se eleger

Para Lupi, Ciro Gomes não precisa do mercado para se eleger

Coluna do Estadão

18 Junho 2018 | 05h30

Principal fiador da candidatura de Ciro Gomes ao Palácio do Planalto, o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, diz que é possível ganhar a eleição sem o apoio do mercado financeiro. “O mercado tem que cuidar de suas aplicações, entender que não manda no Brasil. Da política quem tem que cuidar são os políticos”, disse à Coluna. A resposta é uma reação à preferência do setor financeiro por Jair Bolsonaro (PSL), considerado mais previsível, caso ele dispute o 2.º turno com Ciro. “O mercado perde os anéis, mas não o dedo. Ele sabe que com Bolsonaro perde a mão.”

Às claras. Nas conversas com o mercado financeiro, a campanha de Ciro tem dito que “é melhor diminuir o lucro do que perder completamente”. “O juro real está sufocando a economia”, afirma Carlos Lupi.

Agora vai. Dirigentes do DEM, PP e PDT dizem que esta semana será decisiva para as conversas entre os três partidos. O que significa dizer que o encontro entre os presidenciáveis Rodrigo Maia e Ciro Gomes deve finalmente ocorrer.

Questão de idade. Quem tem acompanhado a aproximação de Maia com o PDT diz que há uma “briga geracional” dentro do DEM. Assim como aconteceu no ninho tucano, os “cabeças pretas” querem uma coisa (Ciro Gomes) e os “cabeças brancas”, outra (Geraldo Alckmin).

Geração? Um deputado do DEM diz que Ciro não seguiu nenhum parâmetro geracional para criticar a sigla. Disparou impropérios contra o “velho” ACM e o “novo” ACM Neto.

Relações… O presidenciável Geraldo Alckmin e o ex-governador Marconi Perillo discutiram na semana passada por causa da presidência do PSDB.

…estremecidas. Perillo cobrou de Alckmin um acordo para assumir o comando da legenda durante a campanha, o que deixaria o candidato mais livre para viajar. Aliados dizem que Alckmin não gostou nadinha disso.

Prêmio de consolação. A entrega da coordenação da campanha a Perillo foi interpretada como um gesto para reatar os laços. Um dos motivos para Alckmin não abrir mão de presidir a legenda, é que assim ele controla a distribuição do fundo eleitoral.

Água fria. Um ministro da 2.ª Turma do Supremo disse à Coluna ser muito difícil o colegiado conceder liberdade ao ex-presidente Lula depois de o plenário ter decidido, em abril, pela prisão. “Agora ele não sai”, vaticina o magistrado. A 2.ª Turma analisa novo pedido de HC da defesa do petista no próximo dia 26.

Sufoco. O governador de Minas, Fernando Pimentel, voltou a atrasar o pagamento de servidores. Professores da ativa receberam apenas parte dos vencimentos e foram informados de que o resto virá a conta-gotas.

SINAIS PARTICULARES. Fernando Pimentel, governador de Minas Gerais; por Kebler Sales

CLICK. Com o julgamento marcado no STF, a petista Gleisi Hoffmann recebeu homenagens no Senado. O colega Roberto Requião (MDB-PR) disse que ela pensou até em ser freira para ajudar os pobres.

Foto: Alessandro Dantas/PT no Senado

Tratamento… O presidente dos Correios, Carlos Fortner, fez uma inspeção-surpresa num centro de distribuição em São Paulo na última sexta. Descobriu encomendas sendo enviadas a preços bem menores.

…de choque. Para enviar um edredom, um cliente pagou R$ 81, quando o correto seria R$ 300. Estima-se que a evasão de receitas, ocasionada por erros, chegue a R$ 30 milhões por mês. Irritado, Fortner levou o edredom para a agência dos Correios que vendeu o serviço para apontar o erro.

PRONTO, FALEI!

Foto: JF Diorio/Estadão

“Nelson Jobim é uma boa figura, mas serviu a todos os governos, então não serve ao Brasil. Não se sabe se ele vai ser lulopetista ou democrata no governo”, DO PRESIDENTE DO PPS, ROBERTO FREIRE.

COM  REPORTAGEM DE  NAIRA TRINDADE. COLABOROU ISADORA PERON

Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão