Para cúpula do Congresso, cassação de Silveira tem de passar pelo plenário

Para cúpula do Congresso, cassação de Silveira tem de passar pelo plenário

Mariana Carneiro, Camila Turtelli, Matheus Lara e Gustavo Côrtes

26 de abril de 2022 | 05h01

O presidente da Câmara, Arthur Lira. Foto: Dida Sampaio/Estadão.

Apesar do barulho provocado por deputados bolsonaristas, o entendimento de Arthur Lira (PP-AL) e de líderes partidários da cúpula do Congresso é o de que não há dúvidas. A discussão sobre a cassação do mandato de Daniel Silveira é tema para votação em plenário, e não é preciso fazer alterações legais, pois a previsão é constitucional. Enquanto isso, o Congresso se transformou em uma arena onde aliados do presidente e oposição travam uma guerra para saber quem vai tomar o assunto para si. Sóstenes Cavalcante (PL-RJ) quer interromper as votações até ser votada uma resolução que proíba cassação de mandatos pelo Judiciário. Carla Zambelli (PL-SP) quer acelerar sua proposta de anistia.

BAILE TODO. O projeto da bolsonarista perdoaria também Allan dos Santos e Roberto Jefferson. Na oposição, Renan Calheiros (MDB-AL) quer sustar o decreto de Jair Bolsonaro.

RISCOS. O terreno conflagrado põe em risco os planos de Lira de votar a MP que permite o pagamento de R$ 400 do Auxílio Brasil. O tema promete mobilizar governo e oposição, já que Bolsonaro quer colar sua imagem ao programa.

SINAIS PARTICULARES (por Kleber Sales). Jair Bolsonaro, presidente da República

TAMBÉM. Além dos bancos, instituições financeiras como corretoras e gestoras de investimentos também deverão dividir o ônus do novo Refis, cujo texto o governo finaliza. Poupadas do aumento de tributos na tramitação da reforma da Previdência, essas empresas também terão a CSLL elevada, segundo previsão da equipe econômica. O aumento é para compensar as perdas de arrecadação com o Refis.

GRAVIDADE. Dois prefeitos do Republicanos, do pré-candidato ao governo de São Paulo, Tarcísio de Freitas, migraram para o PSDB de Rodrigo Garcia na semana passada: Quinha, de Iaras; e Nenê Lopes, de Euclides da Cunha Paulista.

CLICK. Vinicius Poit, pré-candidato a governador de SP (Novo)

Durante visita a fábrica de meias, deputado federal do Novo pediu a internautas para escolher a meia preferida: do Wolverine ou do Mário Bros.

#PAZ. Ciro Gomes (PDT) e as centrais sindicais entraram em acordo. Depois de avisar que não iria ao evento do 1.º de maio, em São Paulo, ele prometeu enviar uma mensagem para ser lida.

PRONTO, FALEI! André Janones, presidenciável do Avante.

“(Os pré-candidatos da 3ª via) são meia dúzia de engomadinhos que se consideram donos da 3ª via. Ninguém pediu eles. Acham que estão na República do Café com Leite.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.