Para institutos, auxílio emergencial começa a pautar reeleição

Para institutos, auxílio emergencial começa a pautar reeleição

Coluna do Estadão

21 de fevereiro de 2021 | 05h00

Presidente Jair Bolsonaro. FOTO: ERALDO PERES/AFP

A suspensão do auxílio emergencial e a dificuldade em avançar com a vacinação no País têm levado populações mais vulneráveis a um “sentimento de orfandade” em relação ao governo federal, segundo institutos de pesquisa ouvidos pela Coluna. A percepção é de que a demora na retomada da ajuda financeira está começando a pautar a reeleição de Jair Bolsonaro. Cientes do problema, governo e Congresso tentam acelerar a volta do benefício.

Tá…  Para o presidente do Instituto Locomotiva, Renato Meirelles, há uma crise de perspectiva, principalmente nas classes mais baixas: tanto na econômica quanto na questão sanitária, os brasileiros não enxergam saídas a curto prazo.

…difícil. “A política tradicional adoraria aprovar uma nova rodada do auxílio rapidamente porque é o que a população está demandando. É uma questão objetiva, mas, ao mesmo tempo, o foco em outras questões, como as eleições do Congresso, deixou o auxílio para outro momento”, afirma Renato Meirelles.

Mão dupla. Bruno Soller, do Instituto Travessia, diz que pesquisas qualitativas identificaram “certa revolta nas camadas populares”. “Elas acham que o governo deu com uma mão e tirou com a outra por causa do aumento do preço de alimentos e de serviços essenciais”, afirma Soller.

Na reserva. Para um aliado de Bolsonaro, a mudança no comando da Petrobrás será feita para evitar que o carro do presidente fique parado no acostamento, sem combustível, na corrida pré-eleitoral até 2022.

SINAIS PARTICULARES
Jair Bolsonaro, presidente da República

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES/ESTADÃO

Agora vai? O Senado deve votar na quinta-feira, 25, uma proposta de emenda à Constituição para destravar o auxílio. O texto, que ainda precisa ser apresentado pelo relator, Márcio Bittar (MDB-AC), deve apresentar uma “cláusula de calamidade” para embasar nova rodada do benefício, como mostrou o Estadão.

Também sou… O episódio da prisão do deputado e ex-policial Daniel Silveira (PSL-RJ), que, mesmo na sua defesa, voltou a reforçar sua ligação com “os homens de farda”, trouxe à baila novamente o debate sobre quarentena eleitoral a membros do Judiciário, Ministério Público, Forças Armadas e outros agentes.

… policial… “Diante dos acontecimentos envolvendo agentes do Estado na política partidária, seria importante retomarmos a discussão da quarentena para evitar abusos de poder e uso do cargo com fins eleitorais”, disse à Coluna Fábio Trad (PSD-MT), autor do projeto de lei que prevê quarentena de seis anos.

… e aí?” O texto está pronto e tem assinaturas para ser levado com urgência ao plenário do Senado.

CLICK. A promotora Gabriela Manssur (quarta à esquerda, no centro da mesa), do CNMP, comemorou semana passada seu aniversário com amigos em Trancoso (BA).

PRONTO, FALEI

José Serra. FOTO: ALEX SILVA/ESTADÃO

José Serra, senador (PSDB-SP) e ex-ministro da Saúde: “É lamentável saber que o SUS tem a capacidade para vacinar 60 milhões de pessoas por mês e que isso não vai ocorrer pq o governo federal falhou em não ter negociado com antecedência a compra de vacinas contra a covid-19. Resultado: as vacinas já acabaram em várias cidades.”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.