Para aliados, situação de Cunha ficou “insustentável”

.

Daniel Carvalho

14 de junho de 2016 | 18h35

Após a derrota de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) no Conselho de Ética, aliados do presidente afastado da Câmara avaliaram que a situação dele ficou “insustentável”. Para esses aliados, que ainda falam sob reserva, a pressão para que Cunha renuncie ao mandato crescerá.

Embora tivessem dúvida em relação ao voto de Tia Eron (PRB-BA), que acabou se posicionando favorável à cassação de Cunha, não esperavam de maneira alguma que Wladimir Costa (SD-PA), aguerrido integrante da tropa de choque do presidente afastado, votasse pela cassação. A avaliação entre deputados, é que Costa não se viu em condições de salvar o peemedebista logo após o voto da colega.

Ao votar pela cassação, Costa também evitou que a decisão final ficasse com o presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo, que daria o voto de minerva. Araújo e Cunha são rivais declarados.

Tudo o que sabemos sobre:

Conselho de Ética

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: