Palocci é investigado na Operação Bullish

Andreza Matais

12 de maio de 2017 | 07h52

O ex-ministro Antonio Palocci é alvo da Operação Bullish deflagrada nesta sexta-feira pela Polícia Federal. Palocci está preso em Curitiba pela Operação Lava Jato. A nova frente de investigação contra o petista, por meio de sua firma de consultoria, não tem relação com a Lava Jato.

O empresário Joesley Batista também é alvo. O mandado de condução coercitiva contra ele ainda não foi cumprido. Joesley está fora do País. Também há mandado contra Luciano Coutinho, ex-BNDES, ainda não cumprido.

Com relação a Palocci, não há medidas contra ele nesta operação, embora ele seja alvo das investigações. Fontes da PF dizem que “Palocci está envolvido até a medula” no caso. Há várias citações a ele nos autos.

Ex-ministro da Fazenda de Lula e da Casa Civil no governo Dilma, Palocci deve fazer delação premiada, como revelou a Coluna. Ele está preso na superintendência da PF em Cuririba.

A Operação Bullish investiga fraudes e irregularidades em aportes concedidos pelo BNDES, por meio da subsidiária BNDESPar, a uma grande empresa do ramo de proteína animal. Segundo fontes, a empresa seria a JBS, do grupo J&F, de Joesley.

Os aportes, realizados a partir de junho de 2007, tinham como objetivo a aquisição de empresas também do ramo de frigoríficos no valor total de R$ 8,1 bilhões.

Realizadas após a contratação de empresa de consultoria do ex-ministro, a Projeto, as operações de desembolso dos recursos públicos tiveram tramitação recorde.

Além disso, essas transações foram executadas sem a exigência de garantias e com a dispensa indevida de prêmio contratualmente previsto, gerando um prejuízo de aproximadamente R$ 1,2 bilhão aos cofres públicos.

COM A PALAVRA A JBS
A JBS informa que sempre pautou o seu relacionamento com bancos públicos e privados de maneira profissional e transparente. Todo o investimento do BNDES na Companhia foi feito por meio da BNDESPar, seu braço de participações, obedecendo a regras de mercado e dentro de todas as formalidades. Esses investimentos ocorreram sob o crivo da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e em consonância com a legislação vigente. Não houve favor algum à empresa.
Todos os atos societários advindos dos investimentos da BNDESPar foram praticados de acordo com a legislação do mercado de capitais brasileiro, são públicos e estão disponíveis no site da CVM e no site de relações com investidores da JBS.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.