País planeja anúncios em redes do exterior

País planeja anúncios em redes do exterior

Coluna do Estadão

21 de julho de 2020 | 22h22

Foto: Adriano Machado / Reuters

Entre os esforços para melhorar a imagem do Brasil no exterior, o Ministério das Comunicações planeja divulgar peças publicitárias curtas nos horários comerciais de canais de televisão estrangeiros, principalmente na Europa. A princípio, o governo havia planejado recriar o ramo internacional da TV Brasil e sua programação seria exibida via streaming. A ideia é enfatizar nos vídeos que o agronegócio brasileiro não é o responsável pelo avanço do desmatamento na Amazônia e mudar a percepção de que há um descontrole na área ambiental.

Help. Apesar de existir a previsão de exibição em toda a Europa e outros continentes, estão no foco a Alemanha e a França. O ministro Fábio Faria, inclusive, quer buscar ajuda com os embaixadores desses países para viabilizar a ação.

Sem verba, irmão. A iniciativa de recriar o braço internacional da TV Brasil esbarra no alto custo de implementação. A pasta deve buscar ajuda para a divulgação das inserções com a Apex ou a Embratur.

Espaço. Uma das ideias é também viabilizar um intercâmbio de programas estrangeiros com a EBC para abrir espaço para conteúdos sobre o meio ambiente brasileiro nas emissoras.

Exemplo. A ministra Tereza Cristina já publicou em suas redes um vídeo em inglês que foi visto como exemplo do que deverá ser o conteúdo das ações.

CLICK. O deputado João Campos (ao centro) presidirá a Frente Parlamentar da Renda Básica. Eduardo Suplicy (no telão), histórico defensor do tema, participou do lançamento.

Coluna do Estadão

Day off. Para quem estranhou a ausência de Patrícia Ellen na coletiva que anunciou a saída de José Germann da Secretaria Estadual da Saúde de SP: ela tirou uns dias de férias programadas anteriormente.

Day off 2. A folga da poderosa secretária do Desenvolvimento Econômico durante a retomada das atividades do comércio, serviços e indústria no Estado pegou mal entre colegas dela do primeiro escalão estadual.

Faça você mesmo. Edson Aparecido, secretário de Saúde da capital paulista, está conseguindo atravessar o longo deserto da pandemia sem ter comprado respiradores. Recebeu alguns do Estado, outros da União, alugou uns tantos e consertou ao menos uns 50 que estavam quebrados.

SINAIS PARTICULARES.
Edson Aparecido, secretário de Saúde de São Paulo

Ilustração: Kleber Sales

Ousado. Alvo de várias ações no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), Deltan Dallagnol parece sentir-se bastante à vontade com o desfecho dos processos, a ponto de ter disparado publicamente contra o presidente do STF, Dias Toffoli, que suspendeu operação no gabinete do senador José Serra.

Ousado 2. No entendimento de juristas ouvidos pela Coluna, não bastasse a decisão de Toffoli estar rigorosamente correta do ponto de vista jurídico, o procurador da Lava Jato ainda tenta jogar a opinião pública contra o Supremo.

Dois pesos? “Solução casuísta” e “equivocada”, disse Dallagnol. Um integrante do próprio MP levanta questão pertinente: pode cumprir mandado na sede do MPF em Curitiba, no Planalto, no Alvorada, nos tribunais e no Supremo?

Agenda. O ex-presidente Michel Temer e o ministro do STF Gilmar Mendes vão debater com Felipe Santa Cruz, presidente da OAB, no seminário digital que a entidade promoverá de 27 a 31 de julho. O tema será “Semipresidencialismo como opção para o Brasil”.

PRONTO, FALEI! 

Chico D’Angelo, deputado federal (PDT-RJ): “Lula poderia ter o gesto de grandeza e unificar os democratas em torno do Ciro Gomes (PDT). Corrigiria o erro histórico dos petistas de 2018”.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA.

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: