Osmar Terra vira referência bolsonarista no combate ao covid-19

Osmar Terra vira referência bolsonarista no combate ao covid-19

Marianna Holanda

25 de março de 2020 | 16h20

Foto: Dida Sampaio/Estadão

Nos últimos dias, o deputado federal Osmar Terra (MDB-RS) caiu nas graças do bolsonarismo nas redes sociais. Discursos do ex-ministro de Jair Bolsonaro, em que fala contra o confinamento no combate ao coronavírus, tem sido compartilhado por perfis influentes, como Allan dos Santos e Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

Ao longo do dia, desde o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro na contramão do que a Saúde tem falado, passou a ser cotado para o cargo de Luiz Henrique Mandetta, caso este deixasse o ministério. O deputado disse se tratar de “fofoca” e que ele próprio ajudou a indicar Madentta.

Osmar Terra tornou-se uma referência em saúde para apoiadores do presidente. Ele, inclusive, mantém contato com seu ex-chefe. No último sábado, fez uma ligação para parabenizar o presidente e trocaram impressões sobre o covid-19.

Demitido do Ministro da Cidadania em fevereiro, Terra tem tido um discurso especialmente alinhado do presidente Jair Bolsonaro, favorável ao isolamento vertical (idosos e grupo de risco). O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, já disse a aliados ser contrário a essa medida.

O ex-ministro da Cidadania defende que “fechar shopping, escola, lojinha da esquina são medidas totalmente inócuas”. Mais, prevê que a epidemia termina bem antes das projeções do ministério da Saúde, no final de maio.

Veja o que diz o deputado federal sobre o coronavírus:

O que sr acha do isolamento vertical, como propõe o presidente?
Sou favorável, sim. O contágio ocorre em velocidade muito grande quanto mais fechada a pessoa ficar. O menino, que era um portador assintomático do vírus, ia para casa comer e dormir, agora fica o dia lá. E com quem? Avô e avó, vai passar para eles. Ficar em casa não achata curva nenhuma. No Brasil, deve subir até a terceira semana de abril e cair até a última semana de maio. Aí termina a epidemia na primeira semana de junho, até antes, no final de maio mesmo.

É só uma “gripezinha”, como o Bolsonaro já falou?
O presidente pode usar o termo que quiser. Ele quis diminuir o medo da população, que está em pânico. Está tendo um efeito destruidor. Minha diarista, por exemplo, trabalhava em cinco casas e agora está só comigo. Coloquei ela mais um dia (da semana, trabalhado), estou com pena dela. Isso está acontecendo de forma generalizada, o pânico está assustador. O H1N1, que eu enfrentei quando era secretário, foi muito pior. Tivemos 58 mil casos no Brasil, morreram 2 mil pessoas. Esta (pandemia do covid-19) vai ter muito menos morte e dano.

O sr prevê o fim da pandemia para maio, mas o ministério da Saúde diz que a queda no número de casos novos do vírus deve ocorrer em agosto apenas.
Ele faz essa previsão por precaução. É uma previsão pensando em tudo de pior que pode acontecer, tudo dar errado. Não vai ser isso. E a minha previsão não é otimista, é científica. Façam ou não isolamento, deve ir até final de maio, início de junho. Fechar escolas é um absurdo. Na época do H1N1 (fui secretário de Saúde do RS durante a epidemia), tivemos férias escolares, suspendi as aulas por semanas, não alterou um milímetro da curva. O fechamento de escolas pode piorar a epidemia, porque a criança sem sintomas pode contaminar os avós em casa. Fechar shopping, escola, lojinha da esquina são medidas totalmente inócuas.

O sr tem um posicionamento contrário ao da OMS, que recomenda o confinamento.
A OMS está deixando muito a desejar, há muito tempo. Ela não tem capacidade de previsão nenhuma. A China se virou sozinha. (A organização) Demorou não sei quantos dias para decretar a pandemia, acho que ela está equivocada. A equipe é muito fraca, em comparação às anteriores. Ela está muito aquém do tamanho dela. No fundo, acho que tem efeito manada político. O noticiário está deixando a população em pânico, a população cobra medidas e aí os políticos vão proibindo, proibindo, proibindo. Se me provassem que quebrando toda a economia, voltando para a era medieval, não morria ninguém, eu topava quebrar a economia. Mas não é assim.

Mandetta disse que o sistema de saúde brasileiro pode entrar em colapso em abril.
Esta é a única frase que eu acho que não foi adequada no momento. Não tem colapso se tem estrutura com tempo para organizar. O Mandetta tem feito um ótimo trabalho, tem uma equipe maravilhosa. Não vi ele em momento algum mandar fechar escola, shopping, comércio.

Há uma especulação de que o sr estaria interessado no ministério da Saúde. É verdade?
Isso é fofoca de quem quer diminuir as coisas que eu to colocando, para parecer que é por interesse pessoal. Eu ajudei a indicar o Mandetta, eu era presidente da Frente Parlamentar de Saúde (da Câmara), participei ativamente na indicação dele. Ele fez uma equipe muito boa, o Gabbardo é excelente. Está ajudando muito a acalmar as pessoas.

 

Tendências: