Os alicerces para a candidatura de Doria

Os alicerces para a candidatura de Doria

Coluna do Estadão

12 de setembro de 2020 | 05h00

Bruno Covas e João Doria. FOTO: NILTON FUKUDA/ESTADÃO

A escolha do vereador emedebista Ricardo Nunes para ser o vice de Bruno Covas na eleição deste ano em São Paulo finca alicerces para a construção da aliança entre PSDB, MDB e DEM em torno da candidatura presidencial de João Doria, em 2022, para enfrentar Jair Bolsonaro de um lado e o PT de outro. Até a cumeeira, falta tempo, mas a planta da obra é: o vice-governador dos paulistas, Rodrigo Garcia, disputa a reeleição, e o MDB, comandado por Baleia Rossi, volta a se fortalecer no Estado que já comandou com Franco Montoro e Orestes Quércia.

Venceu. Baleia Rossi desbancou o Republicanos de Celso Russomanno e Marcos Pereira nas negociações pela vice de Covas.

CLICK. Baleia Rossi, Rodrigo Maia, João Doria e Rodrigo Garcia em encontro ontem, em São Paulo. Um dos temas foi a confirmação de Ricardo Nunes como vice de Covas.

Coluna do Estadão

Canal. Bolsonaro tem conversado diretamente com Russomanno sobre as eleições deste ano na capital paulista. Conforme mostrou a Coluna, o Republicanos pretende lançá-lo candidato a prefeito em convenção na semana que vem.

Se liga. O entorno de Covas preferia ter Russomanno como vice, mas tucanos de várias alas importantes do PSDB avaliaram que não seria interessante ter alguém com linha direta com Bolsonaro no cargo.

Olha só. Se Bolsonaro e Russomanno se acertarem, o presidente passará automaticamente a ter um candidato viável já no primeiro turno da eleição municipal na capital paulista.

Migração. A pesquisa do Instituto Atlas, divulgada pelo BR Político, do Estadão, deve intensificar a debandada de petistas e da classe média de centro-esquerda na direção da candidatura de Guilherme Boulos, avaliam petistas.

Aff. Há desânimo generalizado no PT com a candidatura de Jilmar Tatto.

Democracia. Apesar da pandemia, o novo corregedor-geral da Justiça Eleitoral, ministro Luis Felipe Salomão, não acredita em alta na abstenção neste ano: aposta que o debate político estimulará os eleitores a ir até as urnas escolher seus candidatos.

Otimismo. “Estou bem otimista. Estamos vivendo um momento em que a capilaridade do debate político, pelas redes sociais, chega muito mais diretamente até as pessoas, e isso motiva a participação. E como isso se dá? Com o cidadão votando”, disse Salomão.

Haja gente! Alguns dos números das próximas eleições são superlativos: serão escolhidos um total de 5.568 prefeitos e 57.942 vereadores. A estimativa do TSE é a de que o número de candidatos chegue a 750 mil em todo o País.

Foi ficando, ficou. Para quem chegou como interino, Eduardo Pazuello está bem à vontade no cargo de ministro da Saúde.

SINAIS PARTICULARES.
Eduardo Pazuello, ministro interino da Saúde

Ilustração: Kleber Sales

Conta… A startup brasileira Bússola Tech, por meio de sua vertente Legistech, promove na terça-feira (15/09) o Legistech for Democracy, um evento que reunirá 23 casas legislativas do mundo para trocarem experiências de transformação digital no Poder Legislativo, principalmente para deliberações remotas.

…aqui. No evento, online e gratuito, participarão representantes do Parlamento Europeu, Câmara dos Comuns (Reino Unido), Câmara dos Representantes (Estados Unidos) e do Congresso Nacional brasileiro, entre outros.

BOMBOU NAS REDES!

Deputada Tabata Amaral. FOTO: GABRIELA BILO/ESTADÃO

Tabata Amaral, deputada federal (PDT-SP): “Precisamos de uma reforma administrativa que combata os privilégios da elite dos 3 poderes e militares, pois só assim vamos conseguir entregar serviços de qualidade para a população.”

COM ALBERTO BOMBIG E MARIANA HAUBERT. COLABOROU RAFAEL MORAES MOURA.

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.