Operação no MA foca em gestão de cunhado de Roseana Sarney

Coluna do Estadão

06 de outubro de 2016 | 09h17

Foto: Divulgação PF

Foto: Divulgação PF

 

A gestão de Ricardo Murad, cunhado da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB), é o foco das duas fases concomitantes referentes à Operação Sermão dos Peixes deflagradas hoje pela Polícia Federal. As operações investigam o desvio de recursos públicos federais do Fundo Nacional de Saúde, destinados ao SUS no  Maranhão. Murad foi secretário de saúde no governo da cunhada.

A segunda fase, denominada Operação Abscôndito (escondido), investiga a destruição e ocultação de provas, incluindo a venda suspeita de uma aeronave objeto de decisão judicial, após o possível vazamento da Operação Sermão aos Peixe em 16/11/2015. Na ocasião, o local onde funcionava a secretária pegou fogo, destruindo documentos.

Já a terceira fase da Operação, Voadores, apurou o desvio de cerca de R$ 36 milhões de reais através do desconto de cheques e posterior depósito nas contas de pessoas físicas e jurídicas vinculadas aos envolvidos, incluindo o saque de contas de Hospitais.

A investigação teve início em 2010, quando o então secretário de saúde do estado do Maranhão se utilizou do modelo de “terceirização” da gestão da rede de saúde pública estadual, ao passar a atividade para entes privados – Organização Social (OS) e Organização de Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), e, assim, fugir dos controles da lei de licitação. Contudo, essa flexibilização significou uma burla às regras da lei de licitação e facilitou o desvio de verba pública federal, com fins específicos: enriquecimento ilícito dos envolvidos e financiamento de campanha política.

Durante o período de investigação, os fluxos de recursos destinados pela União, por meio do Ministério da Saúde, ao Fundo Estadual de Saúde do Maranhão, em montante de 2 bilhões de reais. (Andreza Matais)