Operação investiga propina de R$ 600 mil em Tocantins

.

Luiza Pollo

30 de novembro de 2016 | 09h41

O esquema sob investigação na nova fase da Operação Acrônimo, em curso nesta quarta-feira, 30, foi revelado pelo empresário Benedito Rodrigues Oliveira, o Bené, que fez acordo de delação premiada. Ele contou ter pago R$ 600 mil em propina ao deputado estadual de Tocantins Eduardo Siqueira Campos (DEM) em 2012, em troca de um contrato para confeccionar cartilha de educação no trânsito para o Detran local.

Na época, Eduardo era secretário de Estado de Governo e o pai dele, José Wilson Siqueira Campos, governador. Segundo Bené, que é dono de empresas gráficas, na ocasião foi elaborado um projeto básico para a distribuição do material em escolas públicas.

O valor do suborno teria sido dividido entre Eduardo Siqueira Campos e um diretor do Detran do Tocantins. Dois colaboradores do então secretário teriam ficado com comissões de 10%.

Por meio de nota, o deputado Eduardo Siqueira Campos confirmou que encontra-se na sede da PF de Palmas prestando esclarecimentos em obediência a mandado de condução coercitiva. “O deputado Eduardo Siqueira reafirmou que prossegue à disposição para todo e qualquer esclarecimento necessário”, diz a nota. (Fábio Fabrini)

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.