Oito anos após Lula ‘extirpar’ DEM, partido tenta retomada

Oito anos após Lula ‘extirpar’ DEM, partido tenta retomada

Coluna do Estadão

13 de agosto de 2018 | 05h30

Depois de o ex-presidente Lula dizer que precisava “extirpar” o DEM da política brasileira, em 2010, o partido ressurge fortalecido em uma campanha com oito candidatos a governos estaduais. O número é comemorado como retomada da legenda, que saiu desidratada do pleito em 2010. Os demistas encabeçam chapa na Bahia, Rio de Janeiro, Goiás, Mato Grosso, Amapá, Pará, Distrito Federal e Sergipe. Este ano, a grande aposta é conquistar um governo na Região Sudeste pela primeira vez, com Eduardo Paes no Rio, impulsionado por Rodrigo Maia.

Fundo do poço. Em 2014, o DEM teve apenas duas candidaturas estaduais e, pela primeira vez na história do partido, não elegeu nenhum governador.

Anos dourados. O melhor desempenho foi na época em que ainda se chamava PFL. Em 1990, elegeu nove dos 11, entre eles, Antônio Carlos Magalhães (BA), José Agripino (RN) e Edison Lobão (MA). A Bahia é o único Estado onde o partido teve candidaturas em todas as eleições.

Sobrevivência. Aliás, para conseguir redesenhar o cenário eleitoral da Bahia depois de o PSC descumprir o acordo de coligar-se com o DEM, ACM Neto precisou lançar 30 candidatos a deputados federais. Tudo para tantar fazer uma bancada de cinco eleitos.

Pró-gestante. Em seu programa de governo, Henrique Meirelles (MDB) vai incluir uma linha de crédito para custear suporte médico e psicológico a gestantes. O candidato planeja lançar suas propostas em evento nesta semana.

À moda antiga. Recebido por Michel Temer, no Planalto, José Carlos Rodrigues, da CBIC, criticou que o indicado para diretor da Agência Nacional de Mineração ainda não foi sabatinado pelo Senado. Temer o aconselhou a escrever uma carta a Eunício Oliveira, cobrando que paute o tema.

Timing. Os pedidos de compartilhamento de provas feitos pela PGR, alguns em nome da força- tarefa de Curitiba, alarmaram advogados com processos na 2.ª Turma do STF. Há receio de que eles atrasem a tramitação. E as defesas têm pressa para que sejam julgados antes de Cármen Lúcia entrar no colegiado.

Novos… Após recomendação da Procuradoria da República no DF, a Caixa abriu processo seletivo para vice-presidentes com empresa de headhunter. Profissionais não concursados do banco podem se candidatar, desde que tenham exercido pelo menos dois anos na administração pública.

…critérios. A remuneração anual é de R$ 653 mil, incluindo 13.º, além de bônus que pode chegar a R$ 286 mil e benefícios de R$ 109 mil. A determinação da PR-DF foi feita na gestão de Gilberto Occhi (PP), atual ministro da Saúde.

SINAIS PARTICULARES. Gilberto Occhi, ministro da Saúde e ex-presidente da Caixa; por Kleber Sales

CLICK. Pelas andanças pedindo votos pelo País, o candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, faz sempre uma pausa para o café: ele toma 15 doses por dia.

 

Bina. Advogados do ministro Moreira Franco (Minas e Energia) pediram, pela segunda vez, acesso à decisão que quebrou seu sigilo telefônico. Alegam querer garantir seu direito à defesa. O ministro Edson Fachin (STF) negou porque há diligências em curso.

Fale agora ou… Edson Fachin deu prazo de 15 dias para Ciro Nogueira (PP), Dudu da Fonte (PP) e o ex-deputado Márcio Junqueira (PP) se manifestarem sobre denúncia da PGR. Eles são investigados por tentar comprar silêncio de um assessor que colaborou com a Justiça. O prazo só vale depois de eles serem notificados, o que ainda não ocorreu.

BOMBOU NAS REDES!

Senador Armando Monteiro Foto: André Dusek/Estadão

“Não há uma sentença com trânsito em julgado que torne a acusação contra Lula definitiva. Ele é símbolo do povo brasileiro”, DO SENADOR E CANDIDATO DO PTB AO GOVERNO DE PERNAMBUCO, ARMANDO MONTEIRO, em defesa da candidatura de Lula. embora seja apoiado pelo PSDB, do presidenciável Geraldo Alckmin.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E JULIANA BRAGA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao