Oitava fase da Acrônimo foca em empréstimos do BNDES para Odebrecht

Andreza Matais

15 de setembro de 2016 | 08h00

Foto: Divulgação PF

Foto: Divulgação PF

 

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira a 8a fase operação Acrônimo. No foco estão contratos da empreiteira Odebrecht com o BNDES liberados em troca de suposto pagamento de propina. A empreiteira, contudo, não é alvo, mas sim uma firma que intermediou os contratos. 

Em outra frente, também há suspeitas de fraude em licitações no Ministério da Saúde em troca de direcionar contratos para gráfica do empresário Benedito Rodrigues Oliveira, o Bené, apontado como operador do governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, e que fez delação premiada.

O financiamentos do BNDES atendeu a projetos da empreiteira na República Dominicana, Angola, Cuba, Panamá, Gana e México.

As ações de hoje são um desdobramento da investigação que tramita no Superior Tribunal de Justiça. O magistrado relator do caso, Ministro Herman Benjamin, determinou o encaminhamento de parte da apuração à Justiça Federal de primeira instância, por não envolver investigados com prerrogativa de foro naquela Corte. (Andreza Matais e Fábio Fabrini)
DISCRIMINAÇÃO DOS MANDADOS POR ESTADOS
São Paulo – 1 condução coercitiva
Rio de Janeiro – 5 conduções coercitivas e 4 buscas
Minas Gerais – 1 condução coercitiva e 2 buscas
Distrito Federal – 4 conduções coercitivas e 3 buscas

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: